julho 29, 2012 | Minha Vida Literária
29

jul
2012

Coluna da Duhau #32 – Figuras de Sintaxe (ou de Linguagem)

Oi, pessoal. Tudo bom com vocês? Eu sei que andei meio sumidinha aqui do Minha Vida Literária, mas foi por causa de questões de saúde e por isso eu não pude postar a coluna no dia certo. Mas cá estou eu de volta para mais um domingo com vocês.
O tema de hoje é Figuras de Sintaxe, ou seja, “mecanismos” que são úteis para dar uma maior coesão gramatical a uma oração, nos auxiliando a dar mais sentido à frase.
Vamos conhecer algumas delas:

– Elipse –
Regra: Elipse é a omissão de um termo que o contexto ou a situação permitem facilmente suprimir.
Exemplo: “No mar, tanta tormenta e tanto dano.” Os Lusíadas – Luís de Camões (omissão do verbo “haver”).
Cuidado! A elipse é responsável por numerosos casos de derivação imprópria, ou seja, quando o termo expresso absorve o significado do termo omitido.
Ex.: a (cidade) capital, um (dente) canino, uma (igreja) catedral, uma folha (de papel), etc.
– Zeugma –
Regra: A zeugma é uma das formas da elipse. Consiste em fazer participar de dois ou mais enunciados um termo expresso em apenas um deles. É omitir na segunda oração um termo que já foi mencionado na primeira.
Exemplo: “Na vida dela houve só mudança de personagens; na dele mudança de personagens e de cenários.” (Na vida dele houve mudança…)
– Pleonasmo –
Regra: Como eu já havia dito no post sobre Vícios de Linguagem, o pleonasmo, se usado de maneira correta, é uma figura de linguagem, mas, se usado inutilmente, é considerado um vício de linguagem. Pleonasmo nada mais é que a superabundância de palavras para enunciar uma ideia.
Exemplo: “Ó mar salgado, quanto do teu sal são lágrimas de Portugal.” – Fernando Pessoa
– Hipérbato –
Regra: Hipérbato é a separação de palavras que pertencem ao mesmo sintagma, pela intercalação de um membro frásico. De forma genérica, hipérbato designa toda a inversão de ordem normal das palavras na oração.
Exemplo: “Do que a terra mais garrida / Teus risonhos, lindos campos têm mais flores.” Hino Nacional Brasileiro – Osório Duque Estrada





– Prolepse –

Regra: Prolepse, também conhecida como Antecipação, é uma figura de sintaxe onde ocorre o deslocamento de um termo de uma oração para outra que a precede. É um recurso narrativa com o qual se pode descrever o futuro.
Exemplo:O próprio ministro dizem que não gostou do ato.” – Machado de Assis   




Por hoje é só, pessoal. Mas, como de costume, deixei várias figuras de sintaxe de fora dessa lista, então acho que vocês já podem esperar a parte II. De qualquer maneira, espero que tenham gostado. ^^ Até a próxima!


Beijo e uma ótima semana a todos! o/





Últimas Resenhas

Minha Vida Literária • todos os direitos reservados © 2017 • powered by WordPress • Desenvolvido por Responsivo por