[Resenha] É Melhor Não Saber - Chevy Stevens | Minha Vida Literária
11

mar
2013

[Resenha] É Melhor Não Saber – Chevy Stevens

Título: É Melhor Não Saber
Autor: Chevy Stevens
Editora: Arqueiro
Número de Páginas: 233
Ano de Publicação: 2013
Skoob: Adicione
Compare e Compre: Buscapé

Sara Gallagher está feliz por sua vida, finalmente, parecer ter entrado nos eixos: está prestes a se casar com Evan, que não somente tem sua completa aprovação, mas também a aprovação de seu pai. Sara foi adotada quando criança e, embora seu relacionamento com sua mãe e com sua irmã, Lauren, sempre tenha sido ótimo, ela não pode dizer o mesmo de sua relação com Melanie, sua outra irmã, e com seu pai, principalmente.
Por sempre ter se sentido curiosa sobre a identidade de seus pais biológicos, ela resolve contratar um detetive particular para ajudá-la a encontrá-los. Ela só não imaginava que algumas coisas são melhores quando nunca são descobertas.

Estava ansiosa pela leitura de É Melhor Não Saber desde que descobri sobre seu lançamento. Por ter lido IdentidadeRoubada, certamente me senti curiosa para ler outra obra de Chevy Stevens.
Desde as primeiras páginas, só o que eu conseguia pensar era no quanto estava feliz por voltar a ler um livro que me envolvesse por completo, que me deixasse ansiosa por suas próximas páginas e que não me deixasse com vontade de parar de lê-lo. Depois de um mês, praticamente, de bons livros, mas que, na maioria, não me proporcionaram necessariamente tão boas leituras, eu estava precisando de algo como É Melhor Não Saber.
O primeiro comentário que faço é que agradeço à minha mania de não ler sinopses por não ter lido a desse livro previamente. A sinopse que coloquei nesse post foi feita por mim, então não coloquei os pontos que me causaram surpresa durante a leitura. Na verdade, os fatos nela presente realmente são o ponto de partida da história; contudo, para mim, foi uma surpresa descobri-los aos poucos, até porque a autora não entrega tudo logo de início, ela faz um mistério ao redor deles. Caso eu tivesse lido a sinopse, teria perdido a surpresa das praticamente 100 primeiras páginas. Recomendo, portanto, que a sinopse não seja lida para a história ser impactante desde o começo.
A narrativa utilizada pela autora tem a mesma estrutura de Identidade Roubada: dá-se por meio de sessões de Sara, a protagonista, com sua psiquiatra, instrumento para que a história chegue ao leitor. Assim, em primeira pessoa, conhecemos não apenas os acontecimentos do enredo como também todos os sentimentos e pensamentos que acompanham Sara por todo o livro.
O diferencial dos livros de Chevy Stevens, em minha opinião, é a abordagem psicológica neles presentes. A autora vai a fundo para explorar suas personagens, e a própria maneira de como a história afeta o leitor é de uma maneira psicológica: Chevy Stevens cria sua narrativa de maneira a se assemelhar aos sentimentos das personagens e, talvez por isso, seus livros impactem tanto o leitor. Em Identidade Roubada, me sentia perturbada ao mesmo tempo em que sentia uma ânsia imensa em continuar a leitura, e tais sentimentos eram tão contraditórios entre si como os da própria personagem em seu cativeiro. Agora, minha perturbação ocorreu em outro nível e de outra maneira, mas novamente foi se assemelhando aos da protagonista da história. Me sentia ansiosa, me sentia tensa, queria que aquela situação angustiante fosse logo resolvida.
Aliada a sua ótima narrativa, temos, também, uma história bem desenvolvida, que consegue dosar a pressão psicológica com a investigação policial. A questão na história não é apenas que os conflitos sejam finalizados para trazer a paz novamente à personagem, mas há também o suspense para compreender alguns dos pontos em aberto nela, e foram esses os responsáveis por minha curiosidade ter sido atiçada.
O ponto negativo do livro não chega a ser um defeito seu, mas uma consequência de não ter sido meu primeiro contato com uma obra da autora. Ela, como a maioria dos autores, tem seu padrão de desenvolvimento da história e, por isso, eu já estava preparada para parte dos acontecimentos, eu já esperava por eles, ainda que não soubesse exatamente como eles aconteceriam. Dessa maneira, É Melhor Não Saber me surpreendeu muito menos do que Identidade Roubada, além de não ter conseguido me perturbar tanto quanto o primeiro.
De qualquer forma, o livro é excelente e foi suficiente para me fazer ter certeza de que lerei qualquer obra da autora publicada por aqui. Chevy Stevens é excelente como autora de thrillers psicológicos e policiais, e seus livros são um prato cheio, não apenas para os admiradores do gênero, mas para todos que desejam dar uma chance as suas obras.




Deixe o seu comentário

23 Respostas para "[Resenha] É Melhor Não Saber – Chevy Stevens"

Fabi Liberati - 11, março 2013 às (17:42)

Oie Mii!
Amei a sua sinopse, infelizmente eu ja li a sinopse verdadeira do livro, pois a sua ficou bem melhor e bem mais misteriosa!
Quanto a resenha, me deixou louca de curiosidade, pois eu li também Identidade Roubada (graças a você), e AMEI a escrita da autora, ela envolva agente de uma maneira que nem da pra explicar, eu vou SIM ler esse livro, assim que acabar a série A Maldição do Tigre. Beijos Flor =)

Responder

Rafael Fernandes - 11, março 2013 às (18:08)

Por isso que não gosto de ler sinopses, algumas vezes não resisto, mas prefiro mesmo só ver a opinião da pessoa, se simplesmente gostou ou não e se vale pena. Esse pelo visto vale a pena, nunca li nada da Chevy Stevens, mas acho que vou gostar, eu amo thrillers. rs
Beijos.

Responder

Alinne - 11, março 2013 às (18:56)

Oi Mi.
Estou super ansiosa para ler esse livro e agora sabendo que envolve e que segue quase o mesmo estilo de Identidade Roubada, me faz desejar l~e-lo em breve. Pena que li a sinopse original, mas mesmo assim espero me surpreender com a história.
Parabéns pela resenha.
Beijos.

Responder

Lygia Netto - 11, março 2013 às (19:21)

Estava receosa que isso fosse acontecer, Mi. Como já lemos algo da autora, ao seguir uma fórmula, já teríamos uma ideia de como a narrativa ia prosseguir! XD

De qualquer forma, já garanti meu exemplar, hehehehe…XD Deve ser uma das minhas próximas leituras!

Beijos!

Responder

Ana Ferreira - 11, março 2013 às (20:05)

Mi, não sabia que a sinopse do livro era sua, mas, mesmo não tenho lido a sinopse original, gostei muito do que você escreveu. Deu para sintetizar bem a obra e fazer com que tivéssemos uma noção geral do que ela vai abordar, sem perder a surpresa, no entanto.
Estou bem curiosa para ler algo da Chevy Stevens desde que “Identidade Roubada” surgiu no mercado editorial brasileiro acompanhado por muitas críticas positivas. As suas, claro, considero em alta estima e confiança.
E gostei muito de tudo que você falou a respeito de “É Melhor Não Saber”. Futuras leituras vêm aí! hahaha
Ótima resenha.
Beijo!

Responder

Julia G - 11, março 2013 às (20:05)

Oi Mi, acho ótimo quando um autor consegue se aprofundar nos dramas psicológicos de seus personagens, isso traz uma profundidade que nenhum outro recurso consegue. Eu também tive curiosidade em ler esse livro logo que foi lançado, mas acho que não terei oportunidade tão cedo, uma pena, já que me convenci ainda mais de que o livro deve ser ótimo.

Beijos

Responder

cristiane - 11, março 2013 às (20:10)

Bacana esse livro. Gostei da sinopse dele e depois que vi umas resenha e entendi a história deu pra ver que é daqueles livros que amo ler. Espero conferir também. É bem legal.

Responder

Sammysam Rosa - 11, março 2013 às (21:37)

Do outro livro de Chevy, vi comentários ótimos e posso concluir pela sua resenha, que É Melhor não saber, que temos outro livros ótimo para ser lido! Espero poder ler logo aldo de Chevy, quero conhecer seu modo de escrever e estória 😉

Bjs

Da Imaginação a Escrita

Responder

Laura Zardo - 12, março 2013 às (00:54)

Ainda não li Identidade Roubada, mas tenho uma vontade do tamanho do mundo, parece ser uma estória fantástica.
Também não li nada da autora, mas confesso que acho muito ruim quando os autores seguem a mesma linha de escrita, bem que eles poderiam inovar né. =(
Gostei bastante deste livro quando foi lançado e pretendo lê-lo logo.

Responder

Ana Paula Barreto - 12, março 2013 às (01:44)

Estou muito curiosa em relação ao livro. Parece ser uma história densa, intensa, cheia de tensão psicológica e questionamentos existenciais. É bem do tipo de livro que adoro.
Espero poder ler logo a obra!
bjs

Responder

Gladys Sena - 12, março 2013 às (02:58)

Estou curiosa com essa trama, parece bem intensa, 😉

Responder

Ademar Júnior - 12, março 2013 às (11:47)

Oie Mi,
Adorei a resenha. Já tinha comentado em um video seu (em que você fala de Identidade Roubada) que tinha curiosidade de ler essa autora. Bom, o fato de você ter dito que o anterior é um dos livros mais perturbadores que você já leu, contribuiu muito para isso. Quando recebi o release da Arqueiro sobre “É Melhor Não Saber” fiquei curioso, mas seu comentário sobre ele me aguçou ainda mais a curiosidade por ambos os livros. Eu tenho a mania de ler sinopses, mas eu costumo ler a sinopse assim que pego no livro, daí quando vou lê-lo não sei mais muito o que diz nela, rsrs, somente a ideia geral. Eu não gosto de ler a sinopse no momento em que vou iniciar a leitura, também gosto de me surpreender.
Beijão!

Responder

Lili - 12, março 2013 às (12:49)

Tá, Mi, eu lerei identidade roubada e assim que me tornar fã incluo esse na lista de compras.
Livros que abordam o lado psicológico da história me interessam muito (eu adoro estudar comportamento) e, sendo assim, eu me tornei fã de Agatha Christie com Miss Marple e Poirot que conseguiam desvendar tudo só usando o cérebro e suas experiências.

Acredito que eu vá me envolver e gostar. E fico feliz que conseguiu sair daquele torpor.

liliescreve.blogspot.com

Responder

Andressa Tomaz - 12, março 2013 às (14:03)

Oi Mi!
Nossa, depois de ler Identidade Roubada também fiquei bem ansiosa pelo lançamento deste livro, que pelo jeito é tão bom quanto o outro. O drama psicológico que ela narra é sensacional e mexeu muito comigo naquele. Espero gostar da leitura deste também!
Beijos.

Responder

Dani Gomes - 12, março 2013 às (21:45)

Oi Mi,
Eu também não leio sinopse, muito menos qualquer informação (orelha) que tenha no livro. Só depois que eu leio o livro, que eu faço uma varredura…adoro ler as informações das primeiras páginas (não me pergunte pq).
Ainda não li identidade roubada e agora fiquei mais curiosa para ler esses dois livros.
Ótima resenha.
Bjs

Responder

Raquel Machado - 12, março 2013 às (22:26)

Oi flor,
Li Identidade Roubada e esse foi um dos melhores livros que já li devo confessar lendo sua resenha fiquei com vontade de conhecer essa outra historia da autora parece ser bem impactante também. Com certeza vai entrar para minha lista de livros a ler.
Bjsss
Raquel Machado
Leitura Kriativa
http://leiturakriativa.blogspot.com/

Responder

Kelry Caroline - 14, março 2013 às (01:39)

Particularmente eu gosto muito de livros policiais, e esse com certeza me chamou atenção.

Responder

Manu Hitz - 15, março 2013 às (19:39)

Ai, Aione, querida, agora tenho que colocar mais dois livros na minha estante de desejados… sua resenha me prendeu e agora quero esses livros de Chevy Stevens!
Fiquei surpresa por saber que vc não lê resenhas. Como consegue? E como compra livros, só por indicação? Pela capa não deve ser…
Olha, adoro quando uma leitura aborda o lado psicológico da personagem e nada mais convincente que um consultório de psicanálise para isso! Quero ler!

Responder

Thielen Costa - 16, março 2013 às (05:28)

Eu adoro muito thrillers e todo o suspense que o envolve, com É melhor não saber não seria diferente. Estou super curiosa com a leitura, tenho certeza que vou gostar, então espero lê-lo em breve.

Responder

Amanda.. - 17, março 2013 às (01:55)

Eu sou super curiosa..
essa capa já chamou minha atenção..
depois vem todo esse suspense..
eu adoraria ler.. e saber o que esse livro esconde.

Responder

Jessica Lisboa - 31, março 2013 às (13:32)

Nao conhecia essa autora, mas ja em simpatizei com ela pela fato de escrever thrillers psicológicos (depois que li o livro da Lisa me apaixonei por esse genero *0*) esse livro parece ter uma boa narrativa, apesar de que eu nao gostei da capa (sempre assim).

Responder

Mony Gabriely - 22, abril 2013 às (17:15)

Resenha ótima, tudo ótimo. Pena que eu já tinha lido a sinopse verdadeira e meio que estragou a expectativa quando ao tal mistério. Super ansiosa para ler esse livro.

http://blog-epitaph.blogspot.com.br/

Responder

Vanessa Assumpção - 26, maio 2013 às (22:14)

Fiquei curiosa pra ler! Não sei se já li algo desse gênero a não ser Sherlock Holmes e seria legal me aventurar mais em coisas diferentes.
Bjs!
http://leitura-emfoco.blogspot.com.br

Responder

Últimas Resenhas

Minha Vida Literária • todos os direitos reservados © 2017 • powered by WordPress • Desenvolvido por Responsivo por