[Resenha] Atormentada - Jeannine Garsee | Minha Vida Literária
21

maio
2013

[Resenha] Atormentada – Jeannine Garsee

Título: Atormentada
Autor: Jeannine Garsee
Editora: Jangada
Número de Páginas: 368
Ano de Publicação: Julho/2013
Goodreads: Adicione

Rinn Jacobs tem seus segredos.
Primeiro, ela é bipolar. Segundo, provocou a morte da avó.
Depois de uma tentativa de suicídio e da separação dos pais, ela deixa a Califórnia com a mãe para morar na cidadezinha onde esta foi criada.
Tomando medicação e com o transtorno bipolar sob controle, Rinn tem esperança de recomeçar sua vida, até descobrir que a moradora anterior da casa que alugaram se enforcou ali.
Mas Rinn se recusa a ser intimidada por isso ou pelo fato de seus colegas acreditarem que a piscina da escola é assombrada por Annaliese, uma adolescente que se afogou ali vinte anos
antes.
Quando coisas terríveis começam a acontecer aos seus novos amigos e não a ela, Rinn promete a si mesma que vai descobrir por que não pode ser “atingida” pelo espírito de Annaliese… ou se Annaliese existe mesmo.
Com a ajuda de Nate, o garoto por quem ela se apaixona, Rinn elabora um plano perigoso para descobrir a verdade. Logo, realidade e fantasia se confundem, até Rinn perceber que é quase impossível diferenciá-las.
Diante de uma força malévola que ameaça a vida de todos de quem ela gosta, Rinn se pergunta se de fato pode confiar no que sente ou se está novamente perdendo o contato com a realidade.
De quem ela tem mais medo? De Annaliese? Ou dela mesma?

Atormentada é o livro de Jeannine Garsee cuja publicação está prevista para julho pela Editora Jangada. Nele, conhecemos a história de Corinne, chamada de Rinn, uma garota bipolar que se muda para a cidade onde sua mãe cresceu após a trágica morte de sua avó, mãe de seu padrasto, ter destroçado sua família. Logo ao chegar à cidade, Rinn nota que há alguns mistérios nela, principalmente envolvendo o sombrio túnel do Colégio River Hills.
O ponto alto do livro, para mim, está na narrativa de Garsee. Fazendo uso ora de frases sarcásticas e irônicas e ora de outras em um tom mais melancólico, como se variando entre os estados do transtorno bipolar, a história é contada em primeira pessoa transmitindo diretamente os pensamentos, sentimentos e impressões de Rinn. A autora, também, faz uso de frases curtas em determinados momentos, que contribuem para o impacto dessas falas. Embora haja uma doença de cunho psiquiátrico na história e a narrativa esteja conectada a ela, a leitura não se faz pesada em momento algum; ao contrário, a linguagem é leve e permite uma boa fluidez, além de um rápido envolvimento com o enredo, sendo típica de livros juvenis.
“Mais uma vez em fila, subo até o terceiro andar quase sem fôlego. Meus remédios fazem isso comigo por volta das duas horas da tarde todos os dias, e essa é uma das razões que me fazem detestar tomá-los.
Um antidepressivo.
Um estabilizador do humor.
Um antipsicótico suave.
Rivotril, um calmante para evitar ataques de pânico.
Ah, e pílulas anticoncepcionais, para que eu não surpreenda a minha mãe com um netinho vítima de má formação. Não que eu faça muito sexo ultimamente. Ou que eu faça algum.”
página 20
Ainda que Rinn seja bipolar, o livro não foca na doença em si. Seus sintomas são apresentados por meio de comentários da protagonista, muitas vezes autodepreciativos, e por algumas de suas atitudes, diluídas por entre os acontecimentos da história. Acredito que o principal papel da presença do transtorno seja o de causar a dúvida sobre a veracidade de tudo: os acontecimentos são reais ou frutos de algum surto de Rinn? A própria personagem, inclusive, cogita tal possibilidade em diversos momentos.

“Mas às vezes aquelas mesmas dúvidas de sempre me assaltam e eu me pergunto: se eu vivo o tempo todo entorpecida, estou vivendo de fato? Talvez eu quisesse chorar ou assistir a um filme triste ou porque alguém feriu meus sentimentos.
(…) Talvez não ouvir nem sentir as coisas como as outras pessoas seja mais enlouquecedor do que ouvir e sentir coisas que as outras pessoas não sentem.”

página 239
Em termos do desenvolvimento da história, a autora foi feliz no sentido de conseguir atiçar a curiosidade do leitor para decifrar e entender todos os mistérios. Contudo, a revelação em si não chegou a causar um forte impacto, bem como o próprio o enredo de um modo geral. Apesar de eu ter conseguido me envolver rapidamente com a leitura, não cheguei a sentir grandes emoções com ela.
No resumo, acredito que Atormentada tenha cumprido bem seu papel, principalmente levando-se em conta a faixa etária para a qual é destinado. Uma leitura rápida, composta pela mistura certa de suspense e sobrenatural em meio a uma narrativa convidativa. Entretanto, não espere uma trama arrepiante ou complexa; sua função principal é a de entreter, e não a de perturbar.

 





Deixe o seu comentário

19 Respostas para "[Resenha] Atormentada – Jeannine Garsee"

Lucas Kammer Orsi - 21, maio 2013 às (13:30)

Não conhecia, mas fiquei curioso. Pena que não lhe deixou perturbada. :/
Está ai um livro que fiquei com vontade de ler. (como se já não houvesse vários)

Beijos
Lucas
ondeviveafantasia.blogspot.com.br

Responder

✿Nessa✿ - 21, maio 2013 às (13:44)

Oi Mi*
Gostei muito de sua resenha.
O livro parece ser interessante, com um tema atual.
Achei legal o fato de abordar cobre a bipolaridade.
Pelo que vi na sua resenha o livro não é o “oh”, mas fiquei com vontade de ler.
Essa capa é instigante.

Beijinhos*
http://diariodeincentivoaleitura.blogspot.com.br/

Responder

Luiza - 21, maio 2013 às (14:01)

Não conhecia o livro até ler sua postagem. Gostei de conhecer e saber mais. 🙂
Bjs
http://eternamente-princesa.blogspot.com/

Responder

Colina do Tordo - 21, maio 2013 às (14:16)

Gostei da sinopse e o tema abordado. Quero muito ler.

Responder

Jéssica Lima - 21, maio 2013 às (14:55)

Gostei do fato da história não perturbar. A capa me chamou bastante atenção, a sua resenha me fez desejar loucamente o livro, vou colocá-lo como desejado no skoob.

Beijos!

Responder

Fabi Liberati - 21, maio 2013 às (14:59)

Miii, adorei, fiquei até com um poco de medo, essa historia de piscina e casa assombradas hahaha. A capa é linda e bem convidativa, nunca li nada em que a personagem seja bipolar. Enfim, não vejo a hora de ser lançado. =D
Beijos Flor

Responder

Andy Lima - 21, maio 2013 às (15:00)

Ela toma Rivotril, já quero ler rsrsrsr
Me identifiquei bastante com a personagem, fiquei bem curiosa e quero muito ler, adorei a resenha eu ainda não conhecia a obra e agora me interessei muito!

Responder

Ana Paula Barreto - 21, maio 2013 às (16:43)

Não conhecia o livro, mas adorei. Como sempre digo, o que me motiva mais a ler um livro é o cunho psicológico da história. E esta tem este elementos. Também tem mistérios, um pouco de sarcasmo e ironia, coisas que eu gosto nas narrativas. Realmente me interessei pela história!
bjs

Responder

Lendo Comentando - 21, maio 2013 às (17:35)

Oi, Aione!

Vi você mostrando esse livro no vídeo do Correio. Ainda não tinha ouvido falar dele. Parece que a autora soube trabalhar bem a doença da personagem. Sem deixar o livro forçado e pesado, como você comentou. E olha só… É um livro único! Hehe, já estava esperando ler no final da resenha o que você esperava da continuação, rs. Ultimamente tem saído taaantas séries que até me assusto quando vejo um livro com início, meio e fim, rs.

Beijos,
Amanda.

Responder

Jessinha Cruz - 21, maio 2013 às (19:59)

Gostei muito! A história parece ser bastante envolvente embora eu não costume ler livros desse género.
http://www.fofocas-literarias.blogspot.pt

Responder

Jeh Asato - 22, maio 2013 às (01:26)

Aaah eu acho que gostaria mais se a personagem realmente fosse bipolar e tivesse uns surtos pelos quais esse transtorno leva. Não sou bipolar mas conheço algumas pessoas assim e sei que não é apenas dúvidas na mente e pluft, pronto.
Enfim, desfoquei do que eu queria falar: eu achei bacana a história e como você disse, consegue atiçar a curiosidade do leitor. Mas por enquanto vou deixar passar, tenho muitos livros pra ler, oh God!

Beijos flor! :*

Responder

Raquel Machado - 22, maio 2013 às (01:55)

Oi minha flor
Como esta???Nossa lendo pre lançamentos…achei interessante o livro e fiquei curiosa pelo problema da personagem e vc dizer que a autora conseguiu deixar o livro mais leve…interessante isso…se conseguir vou ler sim…Ah adoreiii o duque e eu foi paixão a primeira vista.
Bjsss
Raquel Machado
Leitura Kriativa
http://leiturakriativa.blogspot.com/

Responder

Nana ~* - 22, maio 2013 às (07:15)

Hey Mi
Esse livro parece ser bem interessante e eu gostei da capa!
O fato de envolver um lado sarcástico já chama minha atenção, rs.

Ri demais com o primeiro quote.

bjs
Nana – Obsession Valley

Responder

Naty - 23, maio 2013 às (03:33)

Não conhecia esse livro, mas achei essa capa linda!
Apesar do livro não aparentar ter algum diferencial, gostei de como a autora conseguiu transparecer a doença através da narração.
Lerei se tiver oportunidade.

Responder

Ana Luiza Moraes - 23, maio 2013 às (22:57)

Primeiro eu devo dizer que sua resenha está maravilhosa! Sério, adorei demais. Quando crescer quero resenhar como você. *-*
Me interessei pelo livro e eu provavelmente vou comprar quando lançar, e deve ser muito legal receber a prova, né? Você deve ficar se sentindo. ASUHASUASUSHA’
Beijoos!
http://livrinhoseeu.blogspot.com.br/

Responder

Lili - 24, maio 2013 às (20:38)

Mi, que capa fantástica! Sério! Eu achei linda e parece combinar com o tema da história.
Pena que não aprece ter causado tanta comoção quanto eu esperaria de ti num tema como este. Talvez pela faixa etária como disseste (embora JV cause comoção, mesmo sendo um falso juvenil).

Eu fiquei muito afim de ler a história, apesar do modo como escreveste a resenha (que não foi depreciativa, mas não tão empolgada quanto eu esperei ao ver a capa).

Beijos,
liliescreve.blogspot.com

Responder

Planet Pink - 26, maio 2013 às (23:29)

Adorei a sinopse do livro, fiquei mega interessada. Mas uma pena que não tenha sido tão atormentador assim haha.
Quem sabe um dia eu consiga lê-lo.

Beijos

Responder

Lunna Mayara - 03, setembro 2013 às (23:21)

Oi, eu já comentei um de seus vídeos no canal do youtube, e eu queria lhe dizer que eu também tenho um blog, mas ele não é muito bom, mas eu gostaria muito que você desse uma lida nos meus posts e me falasse qual é a sua opinião. Eu amo seus vídeos e suas resenhas são incríveis, eu também sou uma leitora em tempo integral no momento eu estou lendo “A Garota da Capa Vermelha” vc já leu ? Bjssss, até mais!

http://potterrish.blogspot.com.br/

Responder

Thaly Meirelles - 01, outubro 2013 às (22:12)

Oi, ando acompanhando o seu blog a alguns dias e gostei muito dele haha’ Amei a resenha e apesar de não provocar muito impacto já coloquei na lista de desejados. Beijos.

http://irr4diando.blogspot.com.br/

Responder

Últimas Resenhas

Minha Vida Literária • todos os direitos reservados © 2017 • powered by WordPress • Desenvolvido por Responsivo por

Blogs Brasil