[Resenha] Uma Prova de Amor - Emily Giffin | Minha Vida Literária
30

out
2013

[Resenha] Uma Prova de Amor – Emily Giffin

Título: Uma Prova de Amor
Autor: Emily Giffin
Editora: Novo Conceito
Número de Páginas: 432
Ano de Publicação: 2013
Skoob: Adicione
Orelha de Livro: Adicione
Compare e Compre: Buscapé

Primeiro vem o amor, depois vem o casamento e depois… os filhos. Não é assim? Não para Claudia Parr. A bem-sucedida editora de Nova York não pretende ser mãe, e até desistiu de encontrar alguém que aceite esta sua escolha, mas, então, ela conhece Ben. O amor dos dois parece ideal. Ben é o marido perfeito: amoroso, companheiro e — assim como Claudia — também não quer crianças. No entanto, o inesperado acontece: um dos dois muda de ideia a respeito dos filhos. E, agora, o que será do casamento dos sonhos? Uma Prova de Vmor é um livro divertido e honesto sobre o que acontece ao casal perfeito quando, de repente, os compromissos assumidos já não servem mais. Contudo, é também uma história sobre como as coisas mudam, sobre o que é mais importante, sobre decisões e, especialmente, sobre até onde se pode ir por amor.

Algo que muito me agrada nos livros de Emily Giffin é a sua sensibilidade em escrevê-los, em criar personagens de dentro para fora, tão reais e próximas que torna impossível, para mim, não me envolver com elas. Com Uma Prova de Amor, não foi diferente.
É surpreendente a forma de como Giffin sempre consegue me manter atrelada as suas palavras até a última página. Mais do que curiosa pelos acontecimentos, me vejo encantada pelas reflexões feitas por suas personagens, pelas situações que me fazem pensar em minha própria vida. Apesar das diferentes mulheres que compõe o enredo, me vi refletida em cada uma delas, mesmo não sendo semelhante a nenhuma. Cada uma apresentou uma particularidade – ou várias – que me causou identificação, e essa proximidade certamente é um ponto mais do que positivo, já que torna sua obra universal.
Característica marcante de seus livros, Giffin novamente trouxe um assunto polêmico, embora comum. Contudo, pela primeira vez senti certo vestígio de julgamento que não afetou meu envolvimento com a obra, mas que me incomodou durante a leitura. Claudia nunca quis ter filhos, e seu relacionamento com Bem era perfeito até o instante em que ele muda de ideia e declara que deseja ser pai. Achei interessantíssimo a autora abordar a temática da maternidade não desejada pela mulher, e fiquei, até o fim, curiosa pelo desfecho porque, para que ele fosse feliz, alguém deveria ceder, como indica o título. Contudo, me desagradou o fato de justamente a família de Cláudia, mais precisamente sua mãe, ser desajustada, o que insinua ser essa a razão para ela não querer ter filhos.
O que me desagradou foi o fato de haver essa insinuação. Por mais que Cláudia afirme por todo o livro não ser sua mãe a razão de sua opção, paira a dúvida, como se fosse preciso haver um problema para ela não desejar ter filhos. Em minha opinião, uma mulher pode, perfeitamente, não querer ser mãe pura e simplesmente por não desejá-lo, sem que haja um trauma para isso – e isso não tem absolutamente nada a ver com minhas próprias vontades, desejo um dia ser mãe. Com essa lógica do trauma, há a insinuação de que não querer ter filhos é um problema, algo possível de ser curado, quando, na verdade, representa uma escolha e/ou uma vontade. O fato de encarar tal opção como um problema demonstra certo julgamento, e isso não me agradou, principalmente por me parecer atípico nas obras de Giffin.
Também, a escolha da tradução do título não me pareceu tão apropriada, uma vez que sugere o desfecho, como já mencionado, enquanto o título original – Baby Proof – deixa mais claro o sentido da provação passada por eles devido ao súbito desejo de paternidade de Ben, não compartilhado por Claudia.
Tirados esses pontos, e esclarecido o fato do título ser apenas uma observação e não um obstáculo de leitura, minha experiência com Uma Prova de Amor foi excelente. Novamente, me deliciei com a escrita fluida e reflexiva de Giffin, e pude rapidamente me envolver com o enredo, sem querer me afastar dele até ter terminado a leitura. E um breve comentário é que a rápida aparição de Ethan, além da menção de Darcy, personagens de O Noivo da Minha Melhor Amiga e Presentes da Vida, foi uma grata surpresa que não apenas me alegrou por me dar notícias sobre eles como também me deixou nostálgica e com a sensação de eles serem reais, como se suas vidas realmente estivessem acontecendo em paralelo a essas outras histórias.
Confesso que o final me surpreendeu e me agradou. Para me explicar, precisarei discorrer sobre o final dando spoilers, portanto, se você não desejar lê-los, não selecione o parágrafo a seguir.
Se o casamento de Claudia e Ben retomasse por ela ter cedido em favor do desejo de Ben, me sentiria revoltada e com a sensação reforçada de que ocorrera um julgamento. Por que ela é quem teria de mudar sua opinião para provar seu amor? Meu incômodo, no caso, seria pela sugestão de que sua opinião original fosse errada, algo que ela mesma questiona no enredo: ela se vê como vilã por não ter desejado ser mãe, uma tola por não ter mudado de escolha, como se ela fosse obrigada a querer ter filhos pelo fato de ser mulher, e não querer ser a consequência de um trauma. Contudo, quando Ben, antes de Claudia, afirma estar disposto a abdicar de sua vontade para tê-la de volta, Giffin passou a mensagem de que o que realmente importa é o amor entre eles, independentemente de terem ou não filhos. Nesse caso, ambos cederam para ficarem juntos, e o que realmente acontecerá não faz diferença para eles. Ponto para a autora!
Agora, já tendo lido todas as obras de Emily Giffin, posso afirmar sem sombra de dúvidas que ela está entre minhas autoras favoritas, algo que eu já dizia antes mesmo de ter entrado em contato com todos os seus livros. Seu estilo reflexivo, porém de fácil leitura, abordando temáticas universais e permitindo uma fácil identificação com as personagens apresenta todos esses pontos na medida certa para agradar o leitor. Já vi muitas pessoas dizerem que acham seus livros monótonos; contudo, se você gosta de leituras que permitem certa introspecção e, ao mesmo tempo, são bastante agradáveis para se passar o tempo, essa é a pedida certa.




Deixe o seu comentário

18 Respostas para "[Resenha] Uma Prova de Amor – Emily Giffin"

Julia G - 30, outubro 2013 às (12:26)

Oi Mi, acho que perdi meu comentário 🙁
Antes não tinha muita curiosidade de ler os livros da Emily, tinha até certo receio (não sei dizer por que), mas suas resenhas tão apaixonadas me fizeram ficar bem curiosa. Solicitei esse livro para a Novo Conceito por causa disso, mas ainda não li. Espero gostar tanto quanto você 😉
Gostei de saber que o final surpreende (não li os spoilers), e concordo com sua opinião sobre as mulheres que não querem ter filhos, acho que é bem comum, e não advém necessariamente de um problema.

Beijos

Responder

Michelli Santos Prado - 30, outubro 2013 às (12:57)

Olá Mih!!
Eu li apenas 2 livros dela e já virei fã. Simplesmente fiquei encantada com a forma que ela escreve, é com certeza pretendo ler Uma Prova de Amor. E com esta resenha somente aumentou minha curiosidade!! Parabéns pela resenha!!
Beijos.

Responder

Fabi Liberati - 30, outubro 2013 às (13:06)

Oie Mi, bem essa história me é familiar hahaha, a minha é mais ou menos assim. Eu não quero ser mãe, meu noivo também não quer ser pai, eu sei que sou nova (22 anos) mas meu pensamento por enquanto é esse, só que eu tenho em mente que eu posso mudar de ideia, ele eu já acho que não muda de ideia não hahaha. Vamos ver daqui uns anos como vai ser né, se eu vou mudar ou ele, é complicado.
Adorei a resenha, mas acho que não leria o livro pois gosto de leitura que me proporciona mais ação =). Quem sabe né?!
Beijinhos

Responder

Alexandre Koenig de Freitas - 30, outubro 2013 às (15:41)

Oi Mi,
Sempre leio ótimas resenhas sobre os livros de Emily Gifin, e sua resenha me animou bastante para ler Uma Prova de Amor.
Achei a premissa bem original, e estou curioso para ver o desenvolvimento da trama.
Acho que traduzir títulos deve ser bem dificil. Até entendo a opção da editora de não traduzir literalmente, mas dar spoiler tbm não é aceitável…
Abraço,
Alê
alemdacontracapa.blgospot.com

Responder

Cristiane Dornelas - 30, outubro 2013 às (21:49)

Adoro o tom leve e cotidiano dos livros dela, aquela coisa de ser simples e você conseguir pensar como uma história real. Esse é mais um que fiquei querendo ler, pelo visto muito bom. Já vi um monte de resenhas e pela maioria deu pra perceber que vale a pena. Fora uma coisa aqui e ali, acho que é bom mesmo, não tem muita coisa negativa.

Responder

Amanda Z. Dutra - 30, outubro 2013 às (23:08)

Nunca li nada da Emily, mas com tantas resenhas sobre os livros dela, eu já até que meio que sei o que esperar sabe! é estranho, mas até parece que eu já li alguma coisa dela, só não me recordo detalhes! Sensação muito estranha 😛
Você me recomenda começar por esse livro da autora?

Beijo

Responder

Luiza - 31, outubro 2013 às (17:57)

Este comentário foi removido pelo autor.

Responder

Luiza - 31, outubro 2013 às (17:59)

Quero ler!!!! A autora é uma fofa.
Aione, convido para conhecer “Feitiço” livro vencedor do concurso “Do manuscrito ao livro” já publicado pela editora Novo Conceito.Espero que goste!
Bjs
Liza Jones
http://lizajoneslivros.wix.com/lizajones
http://eternamente-princesa.blogspot.com.br/

Responder

Tais Bruna - 31, outubro 2013 às (18:34)

Por incrível que pareça ainda não li nada da Emily Giffin.
Tenho alguns livros dela na minha fila de leitura e espero conseguir ler pelo menos um esse ano.
Já vi algumas resenhas negativas a respeito de Uma prova de amor, mais espero gostar do livro.

bjs
Tais
http://www.leitorafashion.com.br

Responder

July Gomes - 31, outubro 2013 às (19:39)

Ainda não li nenhum livro da Emily Giffin,mas esse me chamou atenção pela história, não pelo que sou hoje, mas pelo que já fui, uma mulher que não queria ter filhos e não por traumas, só não queria.

Responder

♥ Sâmella Raissa ♥ - 31, outubro 2013 às (21:36)

Essa já é a segunda resenha que leio sobre Uma Prova de Amor, e, bem, não tenho muito o que comentar a não ser que, por maiores que sejam os elogios, não estou disposta, no momento, a ler livros da autora. Comecei a leitura de Ame o Que é Seu há um tempo, e até esta data não conclui, a autora não funcionou para mim, e tão provavelmente este surtiria o mesmo efeito. Mas acho interessante e válido o tema abordado pela autora nesse livro. =)
Beijos…

Responder

Gabriela C. - 31, outubro 2013 às (22:53)

Ainda não li nada da Emily, mas tenho muita vontade de ler seus livros.
Esse é, por sinal, um dos que mais me chamam a atenção… acho um tema bem legal, e sempre vejo comentários positivos sobre eles, então, creio que vou começar por esse mesmo.

Responder

Lindsay Leão - 01, novembro 2013 às (02:30)

Embora eu ainda não tenha lido nada da Emily Giffin, sinto que a autora tem uma maneira toda especial de contar uma história.
Gostei bastante da sua resenha e achei muito interessante a premissa do livro. Concordo totalmente com o fato da personagem não querer ter filhos, qual o problema nisso? Também não gostei desse papo da mãe desajustada ser um possível motivo para ela não querer ser mãe. Poxa vida, acho que a Claudia tem o direito de ser feliz do jeito que achar melhor, seja com ou sem filhos!

Responder

Lili - 08, novembro 2013 às (12:07)

Mi, eu só tive uma experiência coma Emily e gostei muito, embora tenha ficado desagradada com o destino da história. Sei que entendes.
Falta este e o A melhor amiga da noiva (que é quase impossível de comprar ultimamente) para eu ter todos. Só falta sentar para ler.

Compartilho tua opinião mesmo sem ter lido o livro sobre essa questão da maternidade. De certo modo é uma visão compartilhada pela sociedade.

liliescreve.blogspot.com

Responder

Anonymous - 10, abril 2014 às (18:40)

Sei que soa estranho mas eu queria ler os spoilers comom faço?

Responder

Aione Simões 10 abr 2014

Basta selecionar o parágrafo que está em branco na resenha 🙂
Beijos!

Responder

Mariana Fieri - 24, julho 2015 às (13:36)

Oi Aione!
Eu amo a Emily Giffin. Acho que vai muito além de apenas chick-lit. Ela consegue descrever os pensamentos e sentimentos dos personagens de uma forma onde sempre existe o crescimento, amadurecimento e por aí vai.
Dá uma olhada na resenha que eu fiz sobre a obra Presentes da Vida:
http://leituranarede.com/resenha-presentes-da-vida-de-emily-giffin/

Bjos e um ótimo final de semana!

Responder

A Guerra dos Tronos – A fúria dos reis – Livro 2 | Literatura Anhanguera Sumaré - 21, dezembro 2015 às (16:24)

[…] Minha vida literária […]

Últimas Resenhas

Minha Vida Literária • todos os direitos reservados © 2017 • powered by WordPress • Desenvolvido por Responsivo por

Blogs Brasil