[Resenha] Gregor e o Código da Garra - Suzanne Collins | Minha Vida Literária
03

fev
2014

[Resenha] Gregor e o Código da Garra – Suzanne Collins

Título: Gregor e o Código da Garra
Autor: Suzanne Collins
Editora: Galera Record
Número de Páginas: 400
Ano de Publicação: 2013
Skoob: Adicione
Orelha de Livro: Adicione
Compare e Compre: Buscapé

Nesse último volume da série de Suzanne Collins, autora da série de sucesso Jogos Vorazes, Gregor precisa mais uma vez cumprir sua profecia e salvar a cidade de Regália. Porém, desta vez, de acordo com a Profecia do Tempo, o herói do Subterrâneo não sobreviverá à missão. E, conforme o dia da sua provação se aproxima, Gregor acha cada vez mais difícil lidar com tudo a sua volta ao mesmo tempo em que se conforma com o destino. Mas será que ele deveria se conformar?

Gregor e o Código da Garra é o quinto e último volume da série infanto-juvenil de Suzanne Collins, As Crônicas do Subterrâneo. Após o final angustiante de Gregor e as Marcas Secretas, o guerreiro Gregor se depara com seu inevitável destino e com a iminente guerra entre os habitantes do subterrâneo.
Diferentemente dos outros volumes, esse foi o único dos livros dessa série que não consegui fazer uma leitura rápida e, por consequência, que eu não consegui me envolver por completo. Meu pouco tempo para leitura certamente prejudicou meu envolvimento: li poucas páginas por dia – sem contar os dias em que não li absolutamente nada – e, assim, a história foi apresentada a mim aos poucos, sem grande fluidez entre as páginas. Contudo, nada disso tem algo a ver com a escrita de Suzanne Collins ou, então, com o enredo em si desse último volume.
Algo que eu já havia notado nos volumes anteriores se manifestou com ainda mais força e presença em O Código da Garra: Collins não poupa seus leitores. Ainda que essa seja uma série infanto-juvenil e que o universo do Subterrâneo seja completamente fantasioso, a realidade presente na trama é inegável. O cenário político da história é muito bem ilustrado, bem como os horrores presentes em uma guerra. Aliás, a autora aproveitou esse último fato para passar sua mensagem e seus questionamentos sobre a necessidade de conflitos como esse.
Foi interessante, também, acompanhar as reviravoltas presentes na história. Novos fatos e novos “olhares” sobre episódios anteriores foram inseridos nesse livro final e, em grande parte, foram esses os momentos que mais despertaram minha atenção e curiosidade.
Por ser uma série voltada para um público mais jovem, as cenas de ação são bastante frequentes, tendo em vista que geram um clímax no enredo e, na maioria das vezes, conseguem prender com mais eficiência a atenção dos leitores. Por outro lado, são exatamente esses os momentos em que acho mais fácil ter minha própria atenção dispersa. De qualquer maneira, acredito que tais instantes sejam cruciais na história e em momento algum questionei a presença deles no enredo.
O final gerou um sentimento de ambiguidade para mim: por ser ligeiramente aberto, não deixa claro o que realmente aconteceria a partir daquele instante. Por outro lado, gosto dessa perspectiva de incerteza, que tanto se assemelha a nossa própria realidade: nossos próximos passos, na maioria das vezes, são completamente incertos para nós. Ficou apenas a certeza de que nada jamais seria da mesma forma, assim como acontece quando passamos por certos episódios em nossas vidas. Tais momentos operam mudanças irreversíveis em nós, e mesmo que o ambiente ao nosso redor seja o mesmo, nossa maneira de viver nele nunca mais o será.
Inegavelmente, Suzanne Collins soube criar personagens cativantes e interessantes. Foram numerosos aqueles por quem me afeiçoei e que contribuíram para fazer dessa uma série notável em minha opinião e, ao final dela, pude comprovar o quanto cada um deixará saudades.
E como toda série que conquista e chega ao fim, As Crônicas do Subterrâneocertamente terá seu lugar garantido em minhas memórias de leitora, dando vontade, de tempos em tempos, de retornar para esse universo que tanto questionei, antes de conhecê-lo, se conseguiria realmente me agradar. Sem dúvidas será uma leitura que, um dia, gostarei de refazer, e que continuará estando entre minhas indicações aos apreciadores do gênero.




Deixe o seu comentário

6 Respostas para "[Resenha] Gregor e o Código da Garra – Suzanne Collins"

This Gomez - 03, fevereiro 2014 às (13:15)

Oi, Mi!
Eu quase tive um treco quando vi o título e a foto, no Face do blog. Porque eu nem sabia que já havia sido lançado. A capa está linda <3
Eu me apaixonei por Gregor e suas aventuras no mundo subterrâneo, pela irmãzinha dele, então, nem se fala. A coisa mais fofa da literatura.
Feliz por ler sua resenha, agora sei que será melhor nas férias.
Quero férias de verdade, aiai. Doce vida.

Beijos, gata :*
Quero muito ler!!! Só falta o 5º à minha coleção. *_*

Responder

Juliana Ramirez - 03, fevereiro 2014 às (16:16)

Olá,
Tenho curiosidade por essa série por ser fã de Jogos Vorazes e amar a autora. Mas estava esperando alguma resenha sobre o fim da série para saber se valeria a pena (odeio me decepcionar depois de já ter lido os primeiros livros).
E agora não estou certa se devo ou não ir atrás dessa série.. Não gosto muito de finais em aberto e esse último livro é paradinho. E agora ? 🙁 rs.
Estou super confusa, mas adorei a sua resenha.

http://depoisdeumlivro.blogspot.com.br/
espero a sua visita (:

Responder

Aione Simões 03 fev 2014

Oi Juliana!
Não é exatamente que esse livro é parado, eu é que não tive muito tempo para lê-lo, então fiz uma leitura mais lenta. E o final também não é de todo aberto hehe…A situação do Subterrâneo é resolvida, tem um final fechado. O que fica em aberto é o destino do Gregor!
Mas não deixe de ir atrás da série, ela é ótima!
Beijão!

Responder

Lise Orsi - 03, fevereiro 2014 às (17:34)

Eu quero ler, mas vou esperar alguma promoção! Enquanto isso eu fico com a memória estagnada.

Eu acho bem importante isso que ressaltaste. Sempre alguém morre nessa série. Morre mais gente aqui que em Jogos vorazes hahaha É sério, se considerarmos personagens “que contam”.

Mi, estou com saudades. Acho que vou no correio essa semana (pra ver se chove aqui na minha cidade).

Beijos!
liliescreve.blogspot.com

Responder

Oliveira - 03, fevereiro 2014 às (23:28)

Aione, não sabia que essa série terminava com o final aberto. Detesto finais abertos em livros, creio que devido a isso não leria. É a mesma autora de Jogos Vorazes, e não li também, será que tem o final aberto também? Agora fiquei a pensar…

Responder

Julia G - 04, fevereiro 2014 às (20:50)

Oi Mi, terminei de ler Em chamas recentemente, e algumas coisas que você falou, principalmente quanto à obra da Suzanne em si, cabem totalmente a minha opinião também.
Não tenho tanto interesse por essa série, mas nada me impediria de ler, já que parece ser inteligente e interessante, mesmo sendo infanto juvenil.

Beijinhos

Responder

Últimas Resenhas

Minha Vida Literária • todos os direitos reservados © 2017 • powered by WordPress • Desenvolvido por Responsivo por