[Resenha] A Seleção - Kiera Cass | Minha Vida Literária
25

fev
2014

[Resenha] A Seleção – Kiera Cass

Título: A Seleção
Autor: Kiera Cass
Editora: Seguinte
Número de Páginas: 368
Ano de Publicação: 2014
Skoob: Adicione
Orelha de Livro: Adicione
Compare e Compre: Buscapé

Para trinta e cinco garotas, a “Seleção” é a chance de uma vida. Num futuro em que os Estados Unidos deram lugar ao Estado Americano da China e mais recentemente a Illéa, um país jovem com uma sociedade dividida em castas, a competição que reúne moças de dezesseis e vinte anos de todas as partes para decidir quem se casará com o príncipe é a oportunidade de escapar de uma realidade imposta a elas ainda no berço. É a chance de ser alçada de um mundo de possibilidades reduzidas para um mundo de vestidos deslumbrantes e joias valiosas. De morar em um palácio, conquistar o coração do belo príncipe Maxon e um dia ser a rainha. Para America Singer, no entanto, uma artista da casta Cinco, estar entre as Selecionadas é um pesadelo. Significa deixar para trás Aspen, o rapaz que realmente ama e que está uma casta abaixo dela. Significa abandonar sua família e seu lar para entrar em uma disputa ferrenha por uma coroa que ela não quer. E viver em um palácio sob a ameaça constante de ataques rebeldes. Então America conhece pessoalmente o príncipe. Bondoso, educado, engraçado e muito, muito charmoso, Maxon não é nada do que se poderia esperar. Eles formam uma aliança, e, aos poucos, America começa a refletir sobre tudo o que tinha planejado para si mesma — e percebe que a vida com que sempre sonhou talvez não seja nada comparada ao futuro que ela nunca tinha ousado imaginar.

Em um misto de distopia e conto de fadas, A Seleção conquistou fãs ao redor do mundo. Curiosa para descobrir sobre a história que tanto fez sucesso, decidi finalmente lê-la – e o resultado não poderia ter sido mais positivo.
Com uma escrita extremamente fluida e envolvente, é possível finalizar a leitura em poucas horas. A obra de Kiera Cass é um dos típicos exemplos de livros que, quando o leitor dá por si, já leu inúmeras páginas. Também, não bastasse essa fluidez, a escrita da autora é bastante romântica e bem estruturada, garantindo um maior impacto com suas palavras.

“Por um momento, não houve Celeste perversa, nem Aspen à espreita nos corredores, nem rebeldes tentando invadir o palácio. Houve apenas uma nota perfeita se prolongando até a seguinte, como que receosa de se perder no tempo sem a outra. Mas elas não ficavam juntas. Pairavam até as outras. E o presente que seria de Kriss tornou-se o meu”. 

Página 310

Embora seja um livro claramente distópico, analisar a sociedade ou entender sua estrutura não é o objetivo de A Seleção. Diferentemente de outros livros do gênero, as críticas ao governo e a maneira de como ele é firmado estão presentes na obra, mas muito mais como um pano de fundo, sendo algo levemente mencionado. Na realidade, o ar de “conto de fada” é muito mais presente, sendo o triângulo amoroso entre America, Aspen e o príncipe Maxon central na trama. Ainda assim, é interessante observar como as características distópicas dão o diferencial ao enredo e o tornam mais atrativo aos olhos dos leitores.

“Algo em sua hesitação fez com que eu me sentisse linda. Sem precisar de palavras, pude compreender como ele estava emocionado mas também assustado com o momento. E por trás de tudo isso via sua adoração por mim”. 
Página 278
As personagens são bastante cativantes, um importante ponto para que a leitura seja tão agradável. É fácil torcer por America e compartilhar de suas angústias e questionamentos, e ainda mais fácil cair de amores pelo príncipe Maxon. Aspen também é uma presença notável, mas, por conta do desenrolar da história, foi inevitável criar uma preferência pelo primeiro. De qualquer maneira, terminei a leitura tão dividida quanto America, sem saber por quem torcer.
A história, como um todo, foi um tanto previsível, sem reservar muitas surpresas. Contudo, isso não alterou o fato de ter sido uma leitura deliciosamente agradável e rápida, uma excelente escolha para quem deseja relaxar e se entregar a um livro completamente envolvente.
Kiera Cass conseguiu amenizar o clima distópico – algo considerado por mim uma façanha – e transformou sua obra em única devido a sua característica singular de romance. A Seleção foi suficiente para conquistar mais uma fã para essa trilogia, e já mal posso esperar para retornar para esse universo através da leitura de A Elite, algo que farei muito em breve.




Deixe o seu comentário

9 Respostas para "[Resenha] A Seleção – Kiera Cass"

Lise Orsi - 25, fevereiro 2014 às (12:15)

Eu ainda estou curiosa, em especial pelos bons comentários. Mas confesso que ler um livro centrado em triângulos amorosos não tem me agradado muito ultimamente.

Porque sempre tem que ter alguém a mais?

Beijos

liliescreve.blogspot.com

Responder

Thais Belarmina - 25, fevereiro 2014 às (15:07)

Ai Mi, amo esse livro.
No livro dois eu tive vontade de matar a America um monte de vezes.
Espero que você possa gostar desse livro também! 😀

http://luadesangue1.blogspot.com.br/

Responder

Tais Bruna - 25, fevereiro 2014 às (16:20)

Own *.*
Amei esse livro e também A Elite, a autora consegue sempre me surpreender.
Agora pretendo comprar o livro dos contos e estou mega ansiosa pelo lançamento de A Escolha.

Bjs
Tais
http://www.leitorafashion.com.br

Responder

Julyana Mendes - 25, fevereiro 2014 às (16:26)

Oi,Mi!

Já li A Seleção e gostei bastante, e concordo com você sobre a sua afirmação de que é uma distopia que foca mais no triângulo amoroso,inclusive fiquei um pouco decepcionada com algumas atitudes da protagonista em relação a isso. Ainda não li o o segundo livro,mas pretendo fazê-lo por esses meses.

Abraços, flor

Em Sintonia com os Livros

Responder

MsBrown - 25, fevereiro 2014 às (17:49)

Olá, Aione! Concordo que a leitura é fluida, rápida, porém gostaria que a política aparecesse com mais impacto no livro e que o romantismo ficasse em segundo plano, acho que assim seria mais interessante, só que se pareceria mais com outros livros de distopia…

Responder

Crislane Barbosa - 25, fevereiro 2014 às (23:03)

Mi!!!
Essa trilogia é mito boa. Já li os dois primeiros e agora estou lendo “Contos da Seleção”. Terminei o conto “O Príncipe” e fiquei mais apaixonada pelo Maxon. Vou começar “O Guarda”. Quero um pouco mais de Aspen. rsrs…
Em “A Elite” ele aparece mais, tem mais destaque. o/
E, claro, esse livro está bem conturbado de sentimentos. Aguardo sua resenha!
Beijos!

Responder

Verônica Cristina - 28, junho 2014 às (13:32)

amei a resenha!!! estou ansiosa pra ler comprei a serie todinha de uma so vez!!!

Responder

Anita - 26, julho 2014 às (10:56)

Adorei a resenha. Estou morrendo de vontade de ler, acho que vai pra listinha de próximos! hehehe!

Beijão!

Responder

Jane - 29, novembro 2014 às (13:26)

Gostei muito do comentário sobre a distopia um tema que acaba deixando o livro um pouco pesado como ultimamente estou em busca de leituras leves, adorei a resenha estava doida para adquirir um exemplar esse foi o empurrãozinho que faltava ^_^

Responder

Últimas Resenhas

Minha Vida Literária • todos os direitos reservados © 2017 • powered by WordPress • Desenvolvido por Responsivo por

Blogs Brasil