[Resenha] O Irmão Alemão - Chico Buarque | Minha Vida Literária
30

jan
2015

[Resenha] O Irmão Alemão – Chico Buarque

IRMAO-ALEMAO

Título: O Irmão Alemão
Autor: Chico Buarque
Editora: Companhia das Letras
Número de Páginas: 340
Ano de Publicação: 2014
Skoob: Adicione
Orelha de Livro: Adicione
Compare e Compre: Buscapé

A narrativa se estrutura numa constante tensão entre o que de fato aconteceu, o que poderia ter sido e a mais pura imaginação. Na São Paulo dos anos 1960, o adolescente Francisco de Hollander, ou Ciccio, encontra uma carta em alemão dentro de um volume na vasta biblioteca paterna, a segunda maior da cidade. Em meio a porres, roubos recreativos de carros e jornadas nem sempre lícitas a livros empoeirados, surgem pistas que detonam uma missão de vida inteira. Ao tentar traçar o destino de seu irmão alemão, parece também estar em jogo para o narrador ganhar o respeito do pai, que, apesar dos arroubos intelectuais de Ciccio, tem mais afinidade com Domingos, ou Mimmo, seu outro filho, galanteador contumaz, leitor da Playboy e da Luluzinha, e sempre a par das novas sobre Brigitte Bardot. A despeito das tentativas de mediação da mãe, Assunta – italiana doce e enérgica justa e com todos compreensiva -, a relação dos irmãos é quase feita só de silêncio, competição e ressentimento.
Num decurso temporal que chega à Berlim dos dias presentes, e que tem no horror da ditadura militar brasileira e nos ecos do Holocausto seus centros de força, O irmão alemão conduz o leitor por caminhos vertiginosos através dessa busca pela verdade e pelos afetos.


chico1blog.jpg

Chico Buarque é um dos maiores nomes da nossa música brasileira. Além de cantor e compositor, é também dramaturgo e escritor, e neste seu mais recente livro, com uma mistura de ficção e realidade, nos deparamos com um enredo rico em detalhes permeado pela leveza de sua escrita.

O livro se baseia na história real de um filho que o historiador Sérgio Buarque de Holanda, pai de Chico Buarque, teve na Alemanha na década de 1930, quando ainda solteiro viveu uma aventura amorosa e acabou voltando ao Brasil sem tê-lo conhecidoO protagonista do romance é o professor Francisco de Hollander, ou Ciccio, que, ao descobrir por um acaso um irmão desconhecido, começa a busca por saber mais informações sobre ele e sua história e se dedica por encontrar seu irmão alemão. Como plano de fundo desse contexto, acontece no Brasil a Ditadura Militar e, na Alemanha, a Segunda Guerra.

chico2blog.jpg

A narrativa em primeira pessoa é sob o ponto de vista de Francisco de Hollander que nos apresenta não só a procura pelo seu irmão, mas as relações familiares que entrecortam essa história. A narrativa é fluida e o narrador é carismático, desse modo, considerei o ritmo da narrativa muito bom.

Um dos fatores que mais me agradou na trama e que nos primeiros capítulos já ganhou minha atenção foi o amor pelos livros, pela arte e a busca pela cultura presentes no seio familiar e estimulada pela enorme biblioteca pessoal do seu pai Sérgio, que tinha em casa mais de vinte mil livros, entre eles edições raras e edições autografadas pelos amigos escritores. Esse fator influenciou bastante meu envolvimento com a história, pois ao longo da trama aparecem referências a vários escritores e a relação de cada um dos familiares com os livros. Mas não só isso, toda a narrativa é muito bem delineada, as personalidades dos personagens, os momentos marcantes pelos quais eles passam, as reflexões e sentimentos do protagonista, tudo isso trouxe um charme especial ao livro.

É uma leitura muito interessante que une ficção e realidade e que não sabemos exatamente até que ponto uma se mistura com a outra, mas Chico foi muito feliz ao fazer essa junção nos proporcionando momentos de muita leveza e envolvimento que, para mim, tiveram um excelente efeito.

chicocafe.jpg





Deixe o seu comentário

8 Respostas para "[Resenha] O Irmão Alemão – Chico Buarque"

Juliana Frygoudakis - 30, janeiro 2015 às (08:12)

Muito interessante esse livro.. não tinha ouvido falar ainda!
Deve ser um ótimo livro para aprendermos um pouco mais de história enquanto apreciamos a leitura!
Adorei a resenha Clivia! =)
Beijos!

Responder

Oliveira - 30, janeiro 2015 às (08:33)

Esse tipo de leitura não me chama muito a atenção, apesar de saber que há muito o que passar para o leitor.

Responder

Nik Chan - 30, janeiro 2015 às (10:18)

Tenho um pouco de problema em ler livros nacionais. Não curto ele como cantor e acho que não arriscaria comprar dele. Deixo essa leitura para os fãs do cantor que querem conhecer seu trabalho fora da música.
Bye

Responder

Juliana - 30, janeiro 2015 às (12:37)

Muito interessante a proposta do livro, ao ler a resenha fiquei me perguntando até que ponto da narrativa se coincide com os sentimentos do autor. Bjs

Responder

Cristiane Oliveira - 30, janeiro 2015 às (14:21)

Oi Clivia. Gosto muito de algumas músicas do Chico, acho as letras dele super inteligentes. E fiquei bem curiosa com este livro, que além de tudo, tem como cenário a Ditadura e a Segunda Guerra Mundial, que são temas que eu gosto bastante de ler.
E eu também adoro histórias que misturam ficção com realidade.
Beijos

Responder

Diane Ramos - 30, janeiro 2015 às (14:34)

Olá!
Ainda não conhecia esse livro , mas parece ser muito bom essa mistura de ficção e realidade deve ser capaz de não nos deixar largar o livro .
Apesar de não ser fã de Chico , esse livro com certeza vai entrar para a minha estante .

Responder

Vitória Pantielly - 31, janeiro 2015 às (16:01)

Oi Clívia 😀
Não conhecia o livro! Na verdade nem se quer sabia que o Chico Buarque também era escritor. É uma pena que que a história não tenha despertado o meu interesse.. Em primeiro lugar porque nunca fui muito fã do Chico, e em segundo porque não gosto de livros que tenham como cenário a Ditadura! Mais adorei a resenha.
Bjs

Responder

Paula de Franco - 31, janeiro 2015 às (18:30)

Olá.

Conheço algumas músicas do Chico, mas não faria a leitura de seu livro. Não chamou a minha atenção a premissa de O Irmão Alemão, que sabe uma outra obra.

Beijos.

Responder

Últimas Resenhas

Minha Vida Literária • todos os direitos reservados © 2017 • powered by WordPress • Desenvolvido por Responsivo por