[Resenha dupla] @mor/Emmi & Leo: A Sétima Onda - Daniel Glattauer | Minha Vida Literária
03

fev
2015

[Resenha dupla] @mor/Emmi & Leo: A Sétima Onda – Daniel Glattauer

capa amor.indd

Título: @mor
Autor: Daniel Glattauer
Editora: Suma de Letras
Número de Páginas: 188
Data de Publicação: 2012
Skoob: Adicione
Orelha de Livro: Adicione
Compare e Compre: Buscapé

Num e-mail enviado por engano, começa um relacionamento virtual que testa as convicções de Leo Leike e Emmi Rothner. Leo Leike, ainda digerindo o fracasso de seu último relacionamento, responde de forma espirituosa a duas mensagens enviadas por engano por Emmi Rothner, casada. Inicialmente, ela só queria cancelar uma assinatura de revista. Depois, inclui Leo por engano entre os destinatários de um e-mail de boas festas. Na terceira troca de e-mails, o mal-entendido dá lugar à atração mútua, reforçada pelo fato de um nunca ter visto o outro. Nada como a curiosidade instigada por frases bem encadeadas chegando a intervalos regulares numa caixa postal eletrônica para que os dois se esqueçam dos possíveis impedimentos. A cada dia, Leo e Emmi se sentem mais impelidos a marcarem um encontro. Após trocas contínuas de mensagens, está claro para ambos que o marido dela e as feridas emocionais dele não serão obstáculos para que marquem um encontro. O único obstáculo real é a insegurança de ambos quanto à transformação da fantasia em realidade. O austríaco Daniel Glattauer dá nova vida à tradição epistolar em @mor, primeiro de dois romances que exploram um relacionamento sustentado basicamente em trocas de e-mails. Romance de estreia de Glattauer e campeão de vendas na Alemanha e na Espanha, o livro explora, sob roupagem moderna, sentimentos familiares a amantes de todas as gerações.

@mor, de Daniel Glattauer, foi mais um dos livros que permaneceu por anos intocado em minha estante, contrariando minha curiosidade em lê-lo. Após finalmente conhecer a história de Emmi e Leo, posso compartilhar minha própria experiência com a leitura.

@mor1

Logo nas primeiras páginas pude compreender o fascínio despertado entre os leitores na época do lançamento do livro. É praticamente impossível não se envolver com as personagens e, principalmente, não se sentir curioso, tanto com os acontecimentos quanto  com os protagonistas. Como toda a narrativa se dá por meio de emails, apenas temos conhecimento daquilo que os próprios Leo e Emmi compartilham entre si, sem sabermos do cenário que compõe suas vidas ou, até mesmo, como são fisicamente.

 

“Eu nunca tive a pretensão de conhecê-la mais de perto, não mais do que é possível por meio da correspondência eletrônica. Tampouco quis saber como você é. Eu crio uma imagem própria de você a partir dos textos que me escreve. Eu concebo a minha própria Emmi Rothner.”

página 28

 

Não simplesmente impulsionados pela curiosidade, os diálogos travados entre eles são tão interessantes a ponto de envolverem o leitor de forma ser inimaginável interromper a leitura. Emmi e Leo escrevem, em um primeiro momento, motivados pelo mistério e o divertimento, perceptíveis em cada uma de suas palavras. Aos poucos, a conexão se estabelece de tal forma que a profundidade da escrita se torna assustadoramente tocante.

Contudo, ao mesmo tempo em que me senti fascinada pela capacidade de envolvimento do autor com sua escrita, fui tomada por um controverso sentimento ao avançar das páginas: a situação das personagens me fazia tanto discordar do desenvolvimento dos fatos quanto dificultar a minha compreensão sobretudo da motivação de Emmi. Esse incômodo tornou inevitável minha avaliação final da leitura.

 

“Pra mim, você é como uma segunda voz dentro de mim, que me acompanha durante o dia a dia. Você fez do meu monólogo interior um diálogo. Você enriquece minha vida interior.”

página 68

 

Acredito que, até o momento, eu ainda não saiba dizer se gostei ou não do livro. Desconsiderando meu incômodo, foi uma leitura maravilhosa. Por outro lado, não consigo sucumbir ao romance por desaprovar os rumos tomados por ele.

@mor2

O desfecho de @mor pode ser considerado cruel caso o leitor não tenha em mãos sua continuação. Não tive dúvidas: avancei para Emmi & Leo – A Sétima Onda com a mesma ânsia e velocidade que virei as páginas de seu antecessor.

@mor&emmi_leo

Capa Emmi e Leo.indd

Título: Emmi & Leo – A Sétima Onda
Autor: Daniel Glattauer
Editora: Suma de Letras
Número de Páginas: 168
Data de Publicação: 2013
Skoob: Adicione
Orelha de Livro: Adicione
Compare e Compre: Buscapé

Em @mor, o escritor e jornalista austríaco Daniel Glattauer se utiliza dos princípios dos romances epistolares – trocas de cartas – com uma roupagem contemporânea: o contato virtual. Ao contar a fortuita atração mútua entre os jovens Leo Leike e Emmi Rothner por meio de conversas por e-mails e os sentimentos que desenvolvem um pelo outro, o autor utiliza pontos de vista alternados para contar uma inusitada história de amor.
Emmi & Leo: a sétima onda é a sequência dessa história tão intrigante quanto inusitada e que surgiu por erro de endereçamento no envio de um email. Na atual etapa, Leo Leike retorna de Boston após uma longa ausência, e é recebido por uma caixa de emails lotada de notícias de Emmi Rothner. O sentimento dos dois não mudou, e eles reiniciam a troca de mensagens. Só que agora Leo está namorando a americana Pamela, e Emmi continua casada. A orgulhosa Emmi e o tímido Leo nunca estiveram tão próximos, e ao mesmo tempo tão distantes.
Daniel Glattauer reconquista os leitores e a crítica internacional com seu peculiar olhar sobre as relações amorosas dos tempos atuais. A prova do fenômeno editorial da dupla de romances: @mor e Emmi & Leo foram traduzidos para quarenta idiomas e tiveram 64 montagens teatrais na Alemanha e Áustria.

Em Emmi & Leo – A Sétima Onda permanecem as brilhantes características de escrita de Daniel Glattauer, como seus comentários perspicazes e, principalmente, a intensidade de suas palavras.

emmi_leo1

Aos poucos somos atualizados sobre as vidas dos protagonistas e, novamente, enfrentei meu incômodo nas situações de cada um. Ainda, em muitos momentos senti mais facilidade em simpatizar com Leo do que com Emmi, considerando-se que a personagem demonstra não saber o que quer e assim, por consequência, age de forma incoerente.

 

“Daí começa uma nova vida, você chama de etapa, eu digo vida. (…) Não a divida em etapas. Quem vive apenas em etapas sente falta do todo, da inteireza, do senso de completude. Vive em pedaços frágeis, pequenos, que não dizem nada. Ao fim, tudo lhe parece breve demais.”

página 76

 

Por ser similar a @mor em termos de estrutura, Emmi & Leo – A Sétima Onda talvez perca um pouco seu brilho por não mais ser uma novidade. Ainda assim, fiz uma leitura igualmente rápida, ansiando, principalmente, o desfecho da obra.

emmi_leo2

Daniel Glattauer foi coerente ao enredo ao finalizá-lo e, em partes, me senti contentada com o que li. Ao mesmo tempo, por já ter iniciado a leitura da primeira parte incomodada, foi impossível esquecer esse sentimento. Assim, no resumo, tanto me encantei pelas palavras do autor quanto questionei a premissa do relacionamento virtual extremamente palpável dos personagens. Em poucas palavras, continuei sem saber minha real opinião sobre a obra.





Deixe o seu comentário

21 Respostas para "[Resenha dupla] @mor/Emmi & Leo: A Sétima Onda – Daniel Glattauer"

Ivi Campos - 03, fevereiro 2015 às (08:49)

Aione, eu amo essa duologia. Comecei a ler @mor sem grandes expectativas, mas o livro tem diálogos tão inteligentes e uma escrita tão viciante que foi concluir @mor e abrir Emmi & Leo para não ficar nenhuma hora longe dos personagens.
beijos

Responder

Lise - 03, fevereiro 2015 às (09:02)

Eu entendo o poder desse incômodo. Eu em senti assim ao ler Questões do coração. Incrivelmente enraivecida com a vida, mas a vida fictícia dentro do livro. Aquilo me fez mal.

No entanto, eu me senti completamente diferente na leitura (não há o que falar do mérito do autor, ele é brilhante na sua habilidade de escrita) da história de Emmi e Leo.
Eu me chateei com Emmi, mas ao mesmo tempo eu a compreendia, não sei se chegava a me identificar de um modo mais amplo com ela.
Ela estava satisfeita com sua vida, ela acreditava estar satisfeita. Só que a vida colocou diante dela algo que a fez se sentir diferente, completa, extasiada. Será que ela deve ceder o que ela conquistou e acredita estar bom, arriscando por algo que pode ser apenas uma “sensação de novidade”? Ou será que realmente as coisas não são tão boas quanto ela acreditava e por isso ela devia sim abrir as portas pra oportunidade.

A gente se depara com isso tantas vezes na vida. A gente tá seguro num emprego que gosta. E aí, surge a oportunidade dos sonhos. Você nem sabia que sonhava com aquilo. E aí, será que vale a pena trocar o certo pelo incerto? Mas será que o certo realmente te faz feliz?

É complicado…

Ainda não li a continuação, embora dê raiva do fim, eu até gosto de ficar com aquela dúvida.

Lili escreve

Responder

Aione Simões 03 fev 2015

[Comentário com Spoilers de @mor]
Oi Lili!
Eu concordo sobre a busca de novidades quando se trata de um emprego ou coisas assim, mas não quando se trata de um relacionamento, dos sentimentos de outra pessoa. Nada impede que, em algum momento, a nova relação surgida também se torne obsoleta e exija uma novidade. Se relacionamentos precisarem ser sempre renovados, perdem o sentido, pelo menos na minha visão… Não consigo concordar em como ela se portou com o marido e nem acreditar na paixão pelo Leo, ainda mais por ela alegar estar satisfeita (se está satisfeita mesmo, é outra questão), só pela busca da novidade… Não acho que um relacionamento deva exigir isso. Por isso, não consegui me render ao romance hehehe!
Beijos!

Responder

Raimundo Ferreira - 03, fevereiro 2015 às (09:16)

Oi, Aione!

Não conhecia esses livros, mas confesso que a premissa me pareceu bastante interessante e contemporânea, além disso as capas são umas lindezas. Preciso deles! hahaha

Beijos,

http://legereoculis.blogspot.com.br/

Responder

Cristiane Oliveira - 03, fevereiro 2015 às (09:31)

Oi Aione. Não entendi se você não quis dizer que não gostou do livro ou se realmente não sabe se gostou ou não! rsrsrs Mas te entendo, tem livros que a gente gostaria tanto que as coisas acontecessem diferente e parece que o autor faz justamente o contrário… Eu não sabia que o livro era uma sequência, faz tempo que tinha curiosidade de ler @amor, pela forma como é escrito. Ainda bem que você já tinha o 2º livro pra ler na sequência….
Beijos

Responder

Aione Simões 03 fev 2015

Oi Cris!
Como falei na resenha, eu realmente não sei se gostei rsrsrs
Gostei como obra literária, não gostei de alguns pontos do desenvolvimento!
Beijos!

Responder

Juliana Frygoudakis - 03, fevereiro 2015 às (12:18)

Oii Mi!
Achei a capa do livro @mor muito linda! E me interessei por ele pois adoro histórias com diálogos pelo computador!
Que pena que não te agradou taaanto assim!
É muito ruim quando estamos envolvidos em um livro mas o desfecho passa a não agradar.

Beijos! =)

Responder

Analide Minéia - 03, fevereiro 2015 às (13:32)

Suas resenhas são excelentes Aione, bem colocadas, pensadas, adoro a maneira como fotografa os livros, tudo cuidadosamente pensado, lindo! Parabéns!

Responder

Rudynalva - 04, fevereiro 2015 às (00:23)

Aione!
Acabei de ler um livro similar no enredo e no título: @amor.com de Regina Drummond e Jonas Ribeiro, só que editado em 2006, bem antes desse. O enredo é parecido, Virgínia e Lucas trocam email falando um pouco de suas vidas e acabam se envolvendo virtualmente, o final não vou contar…kkkk
E também parece um pouco com o enredo de twittando.com, porém ao invés de email, os protagonistas trocar twittes… achei a forma bem diferente e gostei do livro, aliás dos dois livros.
Fico me perguntando por que os livros são tão parecidos?
cheirinhos
Rudy

Responder

Nessa - 04, fevereiro 2015 às (08:43)

Oi MI
Assim como vc eu devorei o primeiro livro e logo devorei o segundo desesperada para saber o que iria acontecer. Eu curti muito a leitura.

Beijos

Responder

Lindsay Leão - 04, fevereiro 2015 às (19:44)

Oi Mi,

Li “@mor” há alguns anos atrás e lembro de ter gostado bastante da leitura, só que o final foi um pouco decepcionante, não sei dizer direito a razão, mas faltou alguma coisa, sei lá. Acho que na verdade, faltou eu ler a continuação para saber verdadeiramente como terminava a história de Leo e Emmi.
Amei a resenha, foi bom rever esse encontro pelo seu ponto de vista.
Beijos

Responder

Tais - 05, fevereiro 2015 às (09:30)

Quando li @mor gostei bastante, porém um ano depois quando peguei Emmi e Leo não consegui me envolver da mesma forma e algumas coisas que não me incomodaram no primeiro livro passaram a incomodar.

bjs
Tais
http://www.leitorafashion.com.br

Responder

Fernanda S Lima - 05, fevereiro 2015 às (17:31)

Oi Aione,
Gostei da resenha, ja tinha lido a sinopse de @mor e tinha gostado muito da premissa do relacionamento dos dois começar por uma mensagem enviada por engano. O livro me deu a impressão de ser aquele tipo de leitura levinha,mas que gera uma grande curiosidade para saber que rumo as trocas de e-mail vão levar.
Já adicioneo livrei na lista dos que pretendo ler um dia haha.
Bjs

Responder

nah - 06, fevereiro 2015 às (13:48)

Mi..foi EXATAMENTE isso que senti ao ler. N me envolvi com o romance e não simpatizei c em mi.mas a leitura foi gostosa.precisei de tempo para considerar o livro meio decepcionante. E hj tenho asco só de pensar em em minha. Haha bjaoo

Responder

Amanda Johnes - 07, fevereiro 2015 às (17:20)

Oi! ^^
Primeiro livro que eu li que a narrativa era através de e-mails foi “Garoto encontra garota”, da Meg Cabot. Foi há anos, mas pra mim foi uma leitura gostosa e divertida, além de ter ficado fascinada com esse tipo de narrativa! Pesquisando livros nesse segmento achei “@mor”. Confesso que me prendi, gostei bastante, mas no fim dele fiquei chateada do rumo que a história tomou, e pior, não aceitei muito bem. Quando fui ler o segundo foi mais na esperança de ver o desfecho da história que tanto me prendeu inicialmente. Terminei a leitura satisfeita, mas não me prendeu e nem me deu ânsia no decorrer da leitura.
Hoje quando penso neles – faz um tempo que li – o que me vem à mente são diálogos inteligentes e envolventes, que sem dúvida é o tesouro dos dois livros de Glattauer.
Adorei sua resenha!
Beijos.

Responder

Maria Alves - 15, fevereiro 2015 às (13:57)

Não conhecia esses livros.
Nossa fiquei curiosa para ler este livro. Preciso saber se vou gostar ou não ou se vou ficar na dúvida também, rsrsrs.
Mas achei a historia interessante, onde tudo começa por um e-mail trocado, as vezes a vida pode nos surpreender.

Responder

emanoelle souza - 17, fevereiro 2015 às (14:16)

esse livro é quase vida real, porque o que mais acontece agora sao relacionamentos virtuais apesar desse ter sido por engano, agora fiquei curiosa! eles vao ficar juntos? sei que só lendo pra saber.

Responder

Thayla Bilard - 17, fevereiro 2015 às (14:17)

Eu assisti ao seu video sobre os dois livros e me interessei muuuuito! Já adicionei os dois na minha lista de aniversario (em março faço 21 aninhos!!)

Responder

Debbi Az - 18, fevereiro 2015 às (14:55)

Nossa, amei resenha dupla, principalmente com os dois livros que eu estou querendo ler. Apesar que @mor eu gostava mais da capa anterior, mas mesmo assim isso não impede que eu queira.
Emmi e Léo deve ser melhor que @mor, pelo que diz, mas preciso ler os dois para tirar minhas conclusões sobre o livro.
Xoxo

Responder

Alexandra Periard - 28, fevereiro 2015 às (13:15)

@mor > Atingir profundidade por e-mail, realmente é um mérito do autor. Mas quando a protagonista não sabe o que quer (como acontece muito no mundo real) não funciona, rs

Emmi & Leo – A Sétima Onda > É muito chato quando o desfecho deixa a desejar. 🙁

Responder

Fe Fernanda - 29, janeiro 2016 às (14:24)

O titulo é bem curioso

Responder

Últimas Resenhas

Minha Vida Literária • todos os direitos reservados © 2017 • powered by WordPress • Desenvolvido por Responsivo por