[Livros Na Telona] Ensaio Sobre A Cegueira - José Saramago | Minha Vida Literária
20

maio
2015

[Livros Na Telona] Ensaio Sobre A Cegueira – José Saramago

Livros Na Telona é uma coluna na qual analiso filmes que foram baseados em livros!

ensaio sobre a cegueira_filme

Sobre o Livro

Ensaio sobre a cegueira
Título: Ensaio Sobre A Cegueira
Autor: José Saramago
Editora: Companhia das Letras
Número de Páginas: 312
Ano de Publicação: 1995
Skoob: Adicione
Orelha de Livro: Adicione
Compare e Compre: Amazon ♦ Americanas ♦ Cultura ♦ ExtraFnac ♦ Saraiva ♦ Submarino ♦ Travessa

Resenhar Saramago é uma tarefa e tanto: corre-se o risco de não ser possível transmitir toda a intensidade e genialidade de sua obra, talvez só possíveis de serem compreendidas, de fato, através da leitura de seus livros. Tive meu primeiro contato com sua escrita por meio de Ensaio Sobre A Cegueira, obra desejada por mim há tempos, tanto pelo seu renome quanto por ter assistido ao filme, dirigido por Fernando Meirelles e adaptado por Don McKellar em 2008.

Em Ensaio Sobre A Cegueira, um homem repentinamente perde a visão enquanto espera um semáforo abrir. Aos poucos, cada pessoa com quem ele teve contato passa também a cegar, espalhando misteriosamente pela cidade a cegueira branca, como é chamada, uma vez que traz a sensação de um leite ter sido derramado sobre as vistas. Os primeiros a se tornarem cegos são enviados a um manicômio fora de serviço e isolado para permanecerem em quarentena. Dentre eles, segue a mulher do médico, um dos novos cegos. Ela, contudo, é a única que inexplicavelmente teve a visão preservada, apenas colocada em quarentena por ter mentido e, assim, tornado possível acompanhar seu marido.

Ensaio sobre a cegueira 1

 

A escrita de Saramago é um tanto quanto peculiar e, inicialmente, pode causar certo estranhamento a quem não está acostumado com ela: por ter nascido em Portugal, a editora preservou o vocabulário e as estruturas do português lá utilizado e que, em alguns momentos, difere do nosso. Também, o autor mescla narrativa e diálogos, separados apenas por vírgulas e identificados por iniciais maiúsculas a cada nova fala. Contudo, tais características em nada prejudicaram minha leitura; ao contrário, contribuíram para meu total envolvimento com a obra.

 

“Agora, pelo contrário, ei-lo que se encontrava mergulhado numa brancura tão luminosa, tão total, que devorava mais do que absorvia, não só as cores, mas as próprias coisas e seres, tornando-os, por essa maneira, duplamente invisíveis.”

página 16

 

Desde o início já fui arrebatada pela narrativa. Saramago faz fortes apelos visuais no primeiro parágrafo do livro e, logo em seguida, traz bruscamente a cegueira do primeiro cego, possibilitando ao leitor também ser atingido por essa mudança abrupta. E as sensações trazidas pelo autor continuam por todo o enredo, ora visuais, pela visão da mulher do médico, e majoritariamente olfativas e táteis, talvez ainda piores do que as primeiras. Da mesma forma, os sentimentos das personagens são completamente evidentes e capazes de afetar inteiramente o leitor. A combinação desses com os organolépticos resultaram em uma sensação de aflição quase insuportável em diversos instantes, fazendo com que a leitura traga o paradoxo do horror proveniente das situações vivenciadas pelos personagens aliado ao vício e envolvimento que o livro propicia.

Outras características, ainda, contribuem para a ideia da degradação humana trabalhada em toda a obra, como a ausência de nomes das personagens, indicando a perda de suas identidades: tanto o reconhecimento do mundo e dos demais habitantes por elas não se dá mais da mesma maneira quanto elas próprias deixam de reconhecer seus limites conforme a história se desenrola – são várias as situações em que se vêem agindo de uma forma antes totalmente inimaginada.

 

“Ninguém fez perguntas, o médico só disse, Se eu voltar a ter olhos, olharei verdadeiramente os olhos dos outros, como se estivesse a ver-lhes a alma, A alma, perguntou o velho da venda preta, Ou o espírito, o nome pouco importa, foi então que, surpreendentemente, se tivermos em conta que se trada de pessoa que não passou por estudos adiantados, a rapariga dos óculos escuros disse, Dentro de nós há uma coisa que não tem nome, essa coisa é o que somos. ”

página 262

 

A cegueira, embora de central importância para a trama, não é seu foco, não interessando ao autor explicá-la, entendê-la ou desvendá-la. Ela é a personagem que a todos afeta, mas mantêm-se observadora do caos que origina. A intenção de Saramago está justamente na consequência que a cegueira traz: a degradação do homem e o total retrocesso da civilização. O autor explora os níveis précarios atingidos pelo ser humano, ressalta os instintos trazidos à tona no caos, analisa os mais controversos sentimentos que tomam seus personagens. Ao mesmo tempo, procura resgatar sentimentos e conceitos valiosos, trazer a verdadeira lucidez por meio das reflexões construídas no romance.

A leitura de Ensaio sobre a cegueira pode, também, ser feita de maneira bastante simbólica, buscando diferentes significados tanto para a cegueira quanto para as temáticas e situações desenvolvidas. Esse não foi o meu caso, simplesmente imergi na temática da degradação e degustei cada parte magistralmente trabalhada por Saramago. Independentemente da leitura feita por cada um, são inquestionáveis a riqueza e a complexidade da obra, responsáveis por colocá-la na posição de destaque e importância que ocupa no cenário da literatura contemporânea mundial.

Ensaio sobre a cegueira 2

 

Sobre o Filme

 

Lembro-me de quando assisti a Ensaio sobre a cegueira há alguns anos. Além de ser a adaptação da renomada obra literária, o filme é dirigido pelo brasileiro Fernando Meireles, conta com Alice Braga no elenco e teve parte de suas cenas rodadas na capital paulista. Sem dúvida alguma me interessei por assisti-lo e, quando o fiz, fui tomada de uma admiração por sua qualidade e de uma aflição imensa pelas cenas apresentadas. Após alguns anos, contudo, pouquíssimas e aleatórias imagens foram preservadas em minha memória, e, ao reassistí-lo, foi como se o estivesse vendo pela primeira vez, conhecendo o enredo apenas por ter finalizado a leitura do livro alguns dias antes.

ensaio sobre a cegueira_filme4

Desde o início fica nítida a importância da fotografia para o filme. Há um uso intenso de imagens de alta luminosidade e/ou brancas, de forma a simularem a cegueira. Além disso, imagens desfocadas também assumem essa função. Com o desenrolar da história, aumenta também a presença de cenas escuras, acompanhando as temáticas mais sombrias assumidas pelo enredo conforme a degradação das personagens e a gravidade das situações vividas se intensificam. Algo que também chamou minha atenção foi a luminosidade ao redor de Julianne Moore, a esposa do médico: suas roupas são predominantemente mais claras, sua maquiagem a torna mais pálida e tais efeitos são reforçados pelas luzes utilizadas. A explicação para tal se encontra no fato da personagem ser a única a manter sua visão – a representação exclusiva da lucidez em meio a cegueira, vista aqui também de maneira metafórica.

ensaio sobre a cegueira_filme1

O filme foi extremamente fiel à obra de Saramago, tendo mantido praticamente todas as cenas do livro e alterado alguns poucos detalhes: há algumas poucas inversões de acontecimentos, raras omissões de fatos, ainda mais esparsos acréscimos. Não apenas os acontecimentos foram mantidos como, principalmente, a essência da trama, sendo possível observar tanto todo o horror que o livro desperta quanto a mensagem transmitida pela cegueira.

ensaio sobre a cegueira_filme2

A visão simbólica da cegueira, a meu ver, foi ressaltada na adaptação de forma a se tornar mais clara perante aos nossos olhos. Em uma das cenas iniciais, o oftalmologista, personagem de Mark Rufallo, conta à mulher o estranho caso do paciente que cegou repentinamente, como também ocorre no livro, e, também como no original de Saramago, cita duas diferentes possibilidades de patologias que poderiam explicar o ocorrido. Ao citar a agnosia, uma das alternativas, sua esposa na hora faz sua correlação etimológica – não conhecimento, ignorância -, o que não acontece na obra literária. Enquanto o autor deixa a ideia subentendida, o filme a revela, ainda que de maneira sutil.

Ensaio sobre a cegueira_filme3

De modo geral, o filme, mesmo sendo uma excelente adaptação, não atinge a magnitude do original. Saramago é mais intenso, mais reflexivo, mais profundo, de modo que, mesmo com todos os recursos do cinema, sua obra ainda assim mexeu muito mais comigo, em termos de emoções e dos meus cinco sentidos. Um filme, por melhor que tenha sido produzido, dirigido e adaptado, jamais conseguiria demonstrar o poder de escrita do autor, apenas sua extraordinária história.

 

Assista ao Trailer!

 





Deixe o seu comentário

16 Respostas para "[Livros Na Telona] Ensaio Sobre A Cegueira – José Saramago"

Aciclea Vieira - 20, maio 2015 às (13:00)

Aione,Ouvi falar muito dessa obra,tanto literária como cinematografica,porém ninguém antes tinha colocado de forma tão especial ,comparativo e interessante.Com certeza irei conferir de perto.Bjs!!!

Responder

Larissa Oliveira - 20, maio 2015 às (13:49)

Já faz um tempinho que assisti Ensaio Sobre a Cegueira, e não me recordo muito sobre o filme. Mas, lendo sua resenha e vendo essas imagens, me veio um certo ‘desespero’, relembrando algumas cenas do filme que me deixaram bastante angustiada. Não li o livro ainda, mas quero poder faze-lo em breve. Gostei muito das suas resenhas e de saber que o filme foi fiel à obra. Mas, concordo também que, por melhor que o filme seja, não terá aquele encantamento transmitido pela escrita do autor.

Responder

Cristiane Oliveira - 22, maio 2015 às (12:28)

Oi Aione. Adorei o post. Tanto o livro quanto o filme, são dois dos que eu quero ler e assistir há muito tempo. Gostei muito da comparação que você fez dos dois e depois de ver o trailer, fiquei ainda mais curiosa em assistir. Valeu pela dica!
Beijos

Responder

Rosana - 22, maio 2015 às (14:27)

Sou bem curiosa para ler as obras do Saramago, assisti ao film faz muito tempo e não lembro de muita coisa. Ao ler a resenha com os detalhes que você ressaltou do livro só fez eu ficar mais interessada na leitura, porém com um certo receio de não entender muito a escrita do autor. Enfim, quero ler o livro e ver o filme, mas acredito que ainda vai demorar um pouco para eu realizar isso.

Responder

Sara Silva Freitas - 22, maio 2015 às (16:37)

Oi, Aoine. Vi o filme “Ensaio sobre a cegueira” há pouco tempo e, esse livro já estava na minha lista de “Livros que quero ler em 2015”. Adorei sua resenha, a forma como fala da escrita de José Saramago, nunca vi alguém falar de forma tão clara de alguma obra desse escritor tão renomado. Gostei bastante do seu “resumo” da obra e a comparação com o filme. Achei um filme bem diferente do que estava acostumada quando o vi, fiquei surpresa com as reflexões que foram trazidas e fiquei muito ansiosa para ler a obra original.. Já estou pesquisando os preços do livro nas livrarias online…. hahahaa
Beijos.

Responder

Edilza - 22, maio 2015 às (18:31)

Oi, Mi!
Há tempos que quero ler Ensaio Sobre A Cegueira! E o autor pelo visto mostra bem como a sociedade reage a uma tragédia.
Nossa, não sabia que algumas cenas do filme foram gravadas em São Paulo! E que ótimo o filme ter sido fiel à obra original.
Um abraço!!

Responder

Thays Suenaga - 24, maio 2015 às (09:09)

O incômodo de colocarem um espelho na tua cara. Angustiante e fantástico.

Responder

Diane Ramos - 24, maio 2015 às (16:48)

AMO esse livro ! Li na época do colégio e até hoje tenho o maior orgulho de poder ter lido essa obra de José Saramago .
Infelizmente , ainda não assisti o filme .

http://coisasdediane.blogspot.com.br/

Responder

Sheylla - 26, maio 2015 às (11:37)

Li esse livro faz pouco tempo e gostei bastante. Foi um livro que me deixou um pouco aflita., pois imaginar perder a visão, mesmo que temporariamente…nem quero pensar como seria. rs
A única coisa que me incomodou no livro foram os diálogos naqueles parágrafos gigantescos, por ter me deixado um pouco confusa no início.
Algumas cenas também são de tirar o fôlego.
No mais, amei o livro, mas não virou meu favorito.
Eu estou super curiosa para ver o filme! E gostei de saber que tem mais semelhanças do que diferenças com o livro.

bjs

Responder

rudynalva - 26, maio 2015 às (14:36)

Olha Aione!
Saramago tem o dom de buscar o mais profundo da natureza humana e tentar repassar em seus livros.
E nesse em especial, o caos é instalado e se volta os primórdios.
Assisti o filme também e achei bem fiel ao livro e ainda com os efeitos cinematográficos, que traem ainda mais impacto, embora o livro seja soberbo e sua resenha ficou excepcional, muito bem analisado. Parabéns!
Cheirinhos
Rudy
http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

Responder

Larissa Santos - 26, maio 2015 às (19:42)

Oi Aione,
Nem sabia que tinha o filme O.o
Eu achei interessante a proposta do livro, como é um livro mais profundo, acredito que só o lerei nas férias e o filme só depois do livro rsrs.
Beijocas ^^

Responder

Lary C - 27, maio 2015 às (16:30)

Oi, Aione.
Nunca li nada de Saramago, mas tenho duas obras dele na minha lista: Ensaio Sobre a Cegueira e Caim. Não vi o filme também, pois pretendo assistir depois de ler o livro. Mas ele está na minha lista desde que saiu, pois adoro o Mark, a Julianne e o Gael García (que, por sinal, conheci em outra adaptação literária… O Crime do Padre Amaro). Não tenho dúvidas de que o filme não consiga atingir a profundidade da obra de um escritor tão renomado, pois isso é quase impossível. Mas eu gosto da oportunidade de acompanhar a mesma história em mídias diferentes… Eu não fico fazendo comparações absurdas e sofrendo com isso, rs.
Abraço!

Responder

Patrini Viero - 28, maio 2015 às (23:59)

Já tive a oportunidade de conhecer a obra de Saramago, e assim como todos os livros dele que li, Ensaio sobre a Cegueira foi uma grande lição de vida, uma leitura que vou levar sempre comigo. Fiquei extremamente contente ao ver o elenco do filme, acho que essa história merece tudo de espetacular mesmo. Também gostei de saber o quanto a adaptação tentou ser fiel ao livro, já que pra mim tudo é muito bom do jeito que foi escrito, não há nenhuma mudança a ser feita. Fiquei curiosa para assistir ao filme!

Responder

Becca Martins - 29, maio 2015 às (13:01)

Oi Aione!
Eu não sou muito fã das obras dele não. Então não sei o que esperar. Acho que eu vou acabar vendo o filme, se eu gostar eu leio o livro.
Tenho um certo receio de livros desse gênero.
Beijos ♥

Responder

Bia Felix - 31, maio 2015 às (13:41)

Mi, confesso que não estou numa época de ler livros como esse, principalmente pela linguagem da obra que como você disse preservou o português de Portugal.Mas, com certeza vou assistir ao filme e quem sabe num futuro ler a o livro, né?! 🙂
Bjos.

Responder

Brenda Amorim - 31, maio 2015 às (15:34)

Esse livro esta na minha lista de desejados, mas eu não sabia que tinha filme, irei assistir ao filme antes de ler. Muito obrigado pela dica

Responder

Últimas Resenhas

Minha Vida Literária • todos os direitos reservados © 2017 • powered by WordPress • Desenvolvido por Responsivo por