[Resenha] Do que é Feita uma Garota - Caitlin Moran | Minha Vida Literária
17

jul
2015

[Resenha] Do que é Feita uma Garota – Caitlin Moran

CAPADOQUEEFEITAUMAGAR

Título: Do que é Feita uma Garota
Autor: Caitlin Moran
Editora: Companhia das Letras
Número de Páginas: 392
Ano de Publicação: 2015
Skoob: Adicione
Compare e Compre: Amazon ♦ Cultura ♦ Saraiva ♦ Travessa

Do Que É Feita Uma Garota – Imagine a voz de Sylvia Plath em Grease, com trilha de My Bloody Valentine e Velvet Underground. Um romance de formação hilário, sobre como é difícil se tornar alguém “Wolverhampton, em 1990, parece uma cidade a que algo terrível aconteceu.” Talvez tenha acontecido de fato. Talvez seja Margaret Thatcher, talvez seja a vergonha que Johanna Morrigan passou num programa da TV local aos catorze anos. Nossa protagonista decide então se reinventar como Dolly Wilde — heroína gótica, loquaz e Aventureira do Sexo, que salvará a família da pobreza com sua literatura. Aos 16 anos, ela está fumando, bebendo, trabalhando para um fanzine de música, escrevendo cartas pornográficas para rock stars, transando com todo tipo de homem e ganhando por cada palavra que escreve para destruir uma banda. Mas e se Johanna tiver feito Dolly com as peças erradas? Será que uma caixa de discos e uma parede de pôsteres bastam para se fazer uma garota?


DOQUEEHFEITA3

Do que é Feita uma Garota é um livro pouco convencional, diferente de qualquer livro que eu tenha lido nos últimos tempos e que tenha como protagonista uma garota de 14 anos. Com isso quero dizer que talvez seja o típico livro que não agrade a todos, mas àqueles que se agradarem certamente terão um carinho imenso por essa história e por sua personagem central.

Johanna Morrigan é uma garota de 14 anos que anseia por experimentar tudo o que a vida tem para oferecer. A história se passa nos anos 1990 na cidade de Wolverhampton que sofre de uma atual decadência. A garota tem um pai que sonha em ser astro do rock e uma mãe que sofre de depressão pós-parto depois de ter dado a luz a gêmeos, além deles, Johanna tem outros dois irmãos. A vida da família não é nada fácil, principalmente em se tratando de questões financeiras. Johanna se desdobra para ajudar a mãe com os irmãos e com alguns afazeres domésticos.

 

“Isso tudo porque sou gorda. Se você é uma adolescente gorda, fica difícil para as pessoas adivinharem que idade você tem. Quando você está usando um sutiã 48, as pessoas só vão presumir que você tem uma vida sexual ativa, e andou fazendo sexo selvagem e procriativo com machos alfa em algum lugar desértico. Não seria tão mal assim. E eu ainda nem fui beijada. Quero muito ser beijada. Estou furiosa por ainda não ter sido beijada. Acho que eu seria muito boa nisso. Quando eu começar a beijar, o mundo todo vai ficar sabendo. Meus beijos vão mudar tudo. Vou ser os Beatles do beijo.”

página 31

 

Um aspecto central da narrativa é a descoberta da sexualidade de Johanna, que é descrita a cada página e a cada nova descoberta de modo direto e sem floreios. Um dos grandes objetivos da garota na primeira parte do livro é perder a virgindade e até lá ela usa a imaginação para planejar suas ações e imaginar com quem iria ser sua primeira vez.

A personalidade de Johanna é muito marcante, além de inteligente ela é bem humorada e ao longo da trama essa característica nos rende boas risadas.

DOQUEEHFEITA2

A narrativa em primeira pessoa nos leva pelos caminhos confusos, atrapalhados e de autoconhecimento de Johanna. A linguagem é muito direta, crua e certeira sendo fácil se envolver com a história. No entanto, há uma carga emocional muito forte que ronda toda a história a qual a autora não nos poupa detalhes.

Com o passar do tempo Johanna se reinventa e passa a se chamar Dolly, agora com 16 anos, ela trabalha como crítica para uma revista de música e adentra em um mundo repleto de atrativos. Sem nenhuma experiência com o mundo lá fora, apenas com o que sua imaginação a fazia desejar, ela encara uma fase de descobertas em diversos sentidos e passa por altos e baixos para conquistar o espaço que tanto deseja.

 

” Estamos todos fazendo a mesma coisa. Estamos todos apenas tentando atravessar esses anos rumo a um lugar melhor, que nós mesmos teremos de fazer.”

página 127

 

O livro é repleto de referências musicais e também literárias o que enriquece muito a narrativa e nos faz ver o quanto Johanna é uma personagem interessante e diferenciada, principalmente depois que ela começa a trabalhar para a revista sobre música, são tantas histórias hilárias e situações desconcertantes que é até difícil resumir. Sem falar que, mesmo com todas as coisas que ocorrem com ela, há uma particularidade presente em sua figura desde as primeiras páginas que é o empoderamento, então, mesmo sendo tão jovem entre seus erros e acertos algo que não mudou nessa garota foi sua determinação em controlar seu próprio destino e tomar suas decisões em relação ao controle da sua vida e sexualidade mesmo tendo ocorrido tantas outras mudanças.

 

” Ouvir mulheres cantando sobre si mesmas- em vez de homens cantando sobre mulheres- faz tudo parecer repentinamente claro, e possível.”

página 126

 

Por fim, considerei a experiência de leitura com esse livro muito positiva, de certo modo, ele desconstrói muitos mitos em relação à mulher, sobretudo, a partir do momento em que ele dá voz a uma mulher em plena descoberta da vida, da sexualidade, da liberdade. A autora fala abertamente de assuntos que não são comumente falados, principalmente quando se trata da figura feminina, pois, como sabemos ainda existem muitos tabus que precisam ser quebrados e a literatura é uma oportunidade de mostrar a importância que essa temática tem para o nosso cotidiano. Sem esquecer, no entanto, que estamos falando de uma menina se descobrindo, assim, recomendo que quem se proponha a fazer a leitura a faça despido de preconceitos ou julgamentos antecipados, pois, no fundo a busca de Johanna é por autoconhecimento, ela busca como todos nós, aprimorar o ser humano que é a cada dia.

DOQUEEHFEITA4





Deixe o seu comentário

15 Respostas para "[Resenha] Do que é Feita uma Garota – Caitlin Moran"

Leticia - 17, julho 2015 às (11:08)

Oi Clivia..
Gostei dessa personagem e acho que gostaria do livro. Gosto quando tem essa carga emocional e uma personagem forte com características próprias, pelo menos foi o que pareceu.
Sem dúvida esse livro deve quebrar um tabu, e vale a pena ser lido não só pelo público feminino.

livrosvamosdevoraos.blogspot.com.br

Responder

Larissa Oliveira - 17, julho 2015 às (14:31)

Oi, Clivia! Não conhecia o livro e posso confessar que sua resenha me deixou mega curiosa. Não me recordo de ter lido algo com esse tipo de temática. A personalidade de Johanna é, sem dúvida, o que mais despertou minha atenção. Gosto de personagens marcantes e bem humorados. A narrativa em primeira pessoa também me agradou. O leitor acaba tendo mais facilidade de se envolver com a história, pelo menos, comigo, funciona melhor. Adorei sua resenha!

Responder

Mariele Antonello - 17, julho 2015 às (15:35)

Adorei a resenha! Não conhecia este livro mas inicialmente o nome me chamou muito a atenção e a personagem também, acho que vou ser uma das pessoas que vai gostar da leitura, que bom que você gostou do livro, eu pretendo lê-lo mais futuramente.

Responder

Patrini Viero - 17, julho 2015 às (17:46)

Não conhecia o livro e ainda não tive nenhum tipo de contato com a narrativa da autora, mas preciso confessar que o livro me interessou demais, a começar pela capa e título, ambos muito bem trabalhados e significativos, harmonizando perfeitamente com a história. O tema central da trama, apesar de forte, é bastante relevante, e eu acredito que renda uma ótima trama. A personagem principal é um dos elementos que mais me faz querer ler o livro, com certeza ela é marcante e inesquecível a seu modo.

Responder

Denise Crivelli - 17, julho 2015 às (18:57)

Oii
Nunca tinha lido resenha desse livro e nem tinha visto divulgação.
A Sinopse me deixou curiosa e pela resenha deu para perceber que parece ser um livro diferente. A protagonista parece ser aquele personagem bem forte e que mesmo passando por dificuldades tenta se reerguer.

http://momentocrivelli.blogspot.com.br

Responder

Franciele Ribeiro - 17, julho 2015 às (19:13)

Se eu fosse comprar esse livro apenas baseado na sinopse, passaria longe, pq não me chamou atenção, mais lendo sua sinopse, até parece ser um livro interessante. Adorei seu sapinho leitor, uma fofura, hehe.

Responder

Aciclea Vieira - 17, julho 2015 às (20:51)

Clívia,amei a sua resenha,a princípio esse título não me chamou muita atenção,mas agora com certeza irei conferir,gosto de personagens fortes que lutam para ficar de pé.Beijos!!!!

Responder

Edilza - 18, julho 2015 às (11:48)

Oi, Clívia!
Fiquei com muita vontade de ler por tratar das descobertas que essa moça faz, e também por ser um pouco divertido. Realmente a literatura é uma ótima forma de quebrar esses tabus!
Amei a resenha! Bjo <3

Responder

Becca Martins - 18, julho 2015 às (15:47)

Oi Clivia!
Como vc disse, esta é uma historia que não vai agradar a todos. E definitivamente não me chamou atenção.
Mas toda leitura é válida.
Beijos!

Responder

rudynalva - 18, julho 2015 às (21:15)

Clívia!
Os livros adolescente andam virando febre.
Acredito que os editores descobriram esse nicho de venda e agora os escritores aproveitam a febre.
Como falou é um livro bem destinado a descoberta e autoconhecimento de adolescentes e deve ser interessante ver o ponto de vista dela, protagonista, em relação as suas descobertas.
“O segredo é não correr atrás das borboletas… É cuidar do jardim para que elas venham até você.”(Mario Quintana)
cheirinhos
Rudy
http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
Participe no nosso Top Comentarista!

Responder

Gabriela Malavolta - 25, julho 2015 às (02:41)

Olá, Clívia!
Quando vi o título e depois li a sinopse, não imaginei que o livro abordaria uma temática como esta. Achei muito interessante a autora tratar de assuntos tabus na sociedade atual, tendo como protagonista uma garota de 14 anos em fase de auto-conhecimento. Confesso que não me despertaria interesse lendo apenas a sinopse, mas com a sua resenha,como resistir? Estou super curiosa para fazer a leitora e acompanhar a caminhada de Johanna em seu auto-conhecimento e descobertas sobre a realidade e o mundo em que vivemos. Uma leitura que certamente será válida, sem contar as referências literárias e musicais, as quais só enriquecem. Adorei! Beijos, Gabi 🙂

Responder

Amanda Oliveira - 25, julho 2015 às (21:33)

Gostei muita da capa do livro, achei diferente. Não gostei muita da história, acho que não ia me prender do inicio ao fim, e provavelmente eu ia abandona-lo no meio do caminho

Responder

Tamara Costa - 26, julho 2015 às (03:03)

Parece uma história e tanto. Adoro personagens assim fortes e decididas e o fato do texto ser escrito sem rodeios me agrada porque acho que é assim que esse tipo de história deve ser. =)

Responder

Cristiane Oliveira - 30, julho 2015 às (15:30)

Oi Clivia. Achei super interessante a temática que aborda este livro. Com certeza parece ser um livro diferente, com uma linguagem clara e direta eu gosto deste estilo, porque sempre nos faz para para avaliar nossos julgamentos e atitudes.
Beijos.

Responder

Fernanda Mendonça - 30, julho 2015 às (22:03)

Nunca tinha ouvido falar de livro ou autora e a principio o titulo me desencorajou um pouco, mas acabei adorando a trama. Por algum motivo essas histórias de menininhas se descobrindo por causa do rock e coisa e tal me chamam muito a atenção e talvez até role um reconhecimento hahahaha
Um dia desses vi um filme muito bom, com temática parecida…Se eu não me engano o nome é Fita Azul, ou algo assim. É muito bom.

Responder

Últimas Resenhas

Minha Vida Literária • todos os direitos reservados © 2017 • powered by WordPress • Desenvolvido por Responsivo por