[Resenha] Meninos, eu conto - Antônio Torres / Ilustrações: Maurício Veneza | Minha Vida Literária
24

jul
2015

[Resenha] Meninos, eu conto – Antônio Torres / Ilustrações: Maurício Veneza

 

meninos-eu-conto-minha-vida-literariaTítulo: Meninos, eu conto
Autor: Antônio Torres/Ilustrações: Maurício Veneza
Editora: Galera Junior
Número de Páginas: 80
Ano de Publicação: 2015
Skoob: Adicione
Orelha de Livro: Adicione
Compare e Compre: Amazon ♦ AmericanasCulturaExtra ♦ SubmarinoTravessa

O livro retrata um Brasil ainda atual, repleto de gente sim-ples e personagens inesquecíveis. Para os fãs de Auto da compadecida e outros clássicos. Os contos reunidos neste livro contam as dores do crescimento, os conflitos e os sonhos de adolescentes muito parecidos com o menino que o próprio Antônio Torres foi um dia, quando morava no interior da Bahia, na cidade de Junco.

MENINOS1

Meninos, eu conto é um livro infanto-juvenil composto por três contos, cada um deles compõe histórias diferentes e tem como personagens centrais sempre um garoto. As histórias se passam no mundo rural onde cada um dos meninos divide seu tempo entre a escola e a roça ajudando os pais.

O livro foi escrito por Antônio Torres, nascido num povoado chamado Junco, no sertão da Bahia e, de acordo com suas próprias palavras, estas histórias são de outra época, mesmo que ele ainda compartilhe os sonhos, os sentimentos e os conflitos desses meninos.” “Um dia eles e eu já fomos as mesmas pessoas: até hoje me sinto como se fosse um deles”. O livro possui ilustrações muito bacanas que nos transportam para os locais em que se passam as histórias. Feitas pelo Maurício Veneza, nascido em Niterói, que desenha desde a infância e hoje, como ilustrador, já ultrapassou a marca dos 120 livros publicados por diversas editoras.

É com essa dupla que temos a composição de um livro bonito, reflexivo e muito singelo. De antemão, indico para todas as idades e para todos aqueles que valorizam o encanto das histórias infantis e infanto-juvenis; sem dúvidas, esse tipo de livro nos faz sair da leitura com uma leveza impagável.

MENINOS2

O primeiro conto, intitulado de “Segundo Nego de Roseno”, mostra a vida de um menino que mora em um povoado muito humilde e que ajuda seu pai na roça. No lugar não há muito que se fazer além das missas que acontecem esporadicamente. O conto é bem curto, mas há um ocorrido que o torna uma lição de vida, nos levando a refletir sobre o valor de pequenas coisas, principalmente em tal contexto.

O segundo conto se chama “Por um pé de feijão”. Aqui outro menino discorre sobre a alegria da colheita junto à sua família e o grande significado que tem para as famílias rurais colher o que se plantou e trabalhou com tanto afinco. Embora uma tragédia proporcione a essa pequena história o seu real sentido, é com ela que percebemos a esperança por dias melhores e a força do homem do campo. Nesse conto, como nos outros, encontramos palavras e expressões regionais que dão toda uma graça as histórias, principalmente se contadas despretensiosamente por uma criança como esse trecho: “Corri até ficar com as tripas saindo pela boca, a língua parecendo que ia se arrastar pelo chão”. Pg.31

MENINOS5

O terceiro e último conto, é também o mais longo em relação aos outros, porém, assim como os anteriores, carrega a leveza e inocência das crianças que dão o tom da narrativa. Este se chama “O dia de São Nunca”, e discorre sobre um garoto , filho de pai alcoólatra que, estando sozinho, acaba abrindo a porta da sua casa para três desconhecidos vindos de longe e que não pertenciam àquele lugar.

Sua mãe trabalha na roça e é rezadeira, e esta última função desconhecida pelos forasteiros é sabiamente descrita pelo esperto garoto: “O menino explicava- que gente que vive rezando é gente rezadeira. Mas uma rezadeira é outra coisa […] ela chegava na casa do doente, pedia uma tigela com água, molhava a arruda na água e ia rezando e balançando os galhos de arruda em torno do corpo do moribundo. Se no fim da reza os galhos estivessem murchos, era sinal de que o doente ia melhorar, sua doença era mau-olhado mesmo e estava passado do freguês para as folhas da arruda. ” Pg. 52

Nessa última história, várias questões são levantadas, como o modo como esses estranhos abordam a criança e reafirmam o quão primitivo é o lugar e o modo como ele vive, além de menosprezar suas crenças, enquanto, em sua inocência, o garoto aprecia a visita de pessoas tão interessantes em sua casa. Aqui, o autor nos instiga a refletir sobre vários aspectos referentes ao caráter das pessoas, dentre outras coisas que nos faz ter uma faísca de esperança que gira em torno da criança em questão.

MENINOS4

Todos os contos trazem naturalmente características, expressões e costumes referentes ao universo rural e a uma vida simples, sem tecnologias e sem nenhum tipo de luxo. Cada um dos contos possui um sentido muito palpável, a meu ver, que é de mostrar uma realidade tão comum para alguns e extremamente desconhecida para outros. Foi muito fácil me envolver com todos os contos, que são curtos, possuem uma linguagem muito acessível e diálogos muito bem dispostos. Achei muito válidas as reflexões levantadas e terminei o livro com uma sensação muito boa, que me leva a acreditar que as narrativas mais simples muitas vezes são aquelas que nos deixam os mais belos significados.





Deixe o seu comentário

18 Respostas para "[Resenha] Meninos, eu conto – Antônio Torres / Ilustrações: Maurício Veneza"

Leticia - 24, julho 2015 às (10:30)

Oi Clivia..
O primeiro conto parece ser vem encantador. Ainda nem conhecia o livro, mas gostei de saber. Gosto de infanto-juvenis, apesar de ler pouco. E depende também da forma que é desenvolvido.
O autor deve pegar em um ponto crucial para todos os públicos mesmo, e todo livro com uma boa reflexão é válido. Adorei a dica.

livrosvamosdevoralos.blogspot.com.br

Responder

Larissa Oliveira - 24, julho 2015 às (13:49)

Oi, Clivia! Não conhecia o livro e fiquei encantada lendo o modo como você o descreveu. Parece ser tão sensível, simples e, ao mesmo tempo, de uma riqueza infinita. Moro no interior e, certamente, podendo fazer a leitura desses contos, recordaria alguns momentos da minha infância… seria maravilhoso!

Responder

Edilza - 24, julho 2015 às (13:55)

Oi, Clívia!
Realmente essas narrativas conquistam a gente, e eu fiquei com bastante vontade de ler esse livro, por tratar de como é uma vida rural e também sobre crianças que estudam e trabalham.
Amei a resenha! Bjo <3

Responder

Mariele Antonello - 24, julho 2015 às (19:04)

Apesar de eu gostar de contos, não me interessei muito por este livro,mas achei legal ter três contos, sua resenha está muito boa, no momento não pretendo ler este livro, talvez mais futuramente.

Responder

Tamara Costa - 24, julho 2015 às (20:47)

Adorei sua resenha 🙂 deu mesmo vontade de ler. Parece um livro simples mas muito bonito e eu adorei as ilustrações e claro, o fato de ser narrado pelo ponto de vista de crianças ^^

Responder

Gabriela Malavolta - 24, julho 2015 às (23:41)

Olá,Clívia!
Não conhecia o livro, mas me interessei muito por ele. Não leio muitos contos,mas pretendo estender meu leque de leituras para esse gênero. Acho que leituras que envolvem reflexões são muito válidas, ainda mais aquelas que fogem da nossa zona de conforto. O livro trata de uma realidade diferente da minha e me trará reflexões sobre a nossa realidade e da própria vida de modo geral. Sua resenha está simples,mas encantadora, assim como o livro deve ser. Com certeza estará nas minhas próximas leituras. Beijão!

Responder

Franciele Ribeiro - 25, julho 2015 às (09:43)

Parece ser interessante, não sou muito fã desse tipo de livro, mais acho que leria algum momento

Responder

Amanda Oliveira - 25, julho 2015 às (19:18)

não conhecia esse livro, mais as histórias(contos) parece ser simples e de fácil entendimento por parte das pessoas. Lendo a sua resenha voltei ao passado na escola na aula de literatura.

Responder

Becca Martins - 26, julho 2015 às (02:19)

Oi Clivia!
Este livro me deixou super curiosa!
A capa é super fofa e foi uma das coisas que mais me chamaram atenção para ler!
Beijos!

Responder

Fernanda Guimarães - 26, julho 2015 às (11:57)

Oi Clivia!
Como sempre, eu amo suas indicações!
Eu suuuuper quero ler este livro. Livros infanto-juvenis são realmente meu forte. Adoro um livro com um bom tema e uma história.
Ps: Você já leu Como Treinar o Seu Dragão?
É um ótimo livro e acho que você vai gostar bastante!
Abraços.

Responder

Clivia Lira 27 jul 2015

Olá Fernanda, tudo bem?
Que bom que gosta das indicações, fico feliz!
Ainda não li Como Treinar o seu Dragão, mas agradeço pela indicação. Assim que tiver oportunidade não hesitarei em fazer a leitura.
Abraço!

Responder

emanoelle souza - 26, julho 2015 às (13:22)

sempre gostei de ler contos, adorei conhecer o livro que por sinal parece ser bem bacana, nao costumo ler mais livros infanto juvenil, mas mesmo assim vou tentar.

Responder

rudynalva - 26, julho 2015 às (20:29)

Clívia!
Gosto de livros de contos e os infanto juvenis são ainda mais criativos e atrativos.
Viver na realidade rural é um privilégio e traz a criatividade do autor com suas histórias bem vividas.
Adorei!
“Aquilo que se faz por amor está sempre além do bem e do mal.”(Friedrich Nietzsche)
cheirinhos
Rudy
http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
Participe no nosso Top Comentarista!

Responder

The Nice Age - 28, julho 2015 às (20:23)

Oi Clivia!

Eu não tenho o habito de ler livros de contos, pela sua resenha acabei achando-o interessante. A capa é muito linda!

Beijos!

Cintia

Responder

Cristiane Oliveira - 30, julho 2015 às (16:11)

Oi Clivia. Bem, eu amo livros de contos. E este parece ser bem especial. Primeiro, pelo fato de ser contado por crianças, que sempre são encantadoras. E em segundo lugar por narrar histórias do sertão, que eu também amo! Adorei a resenha.
Beijos

Responder

Patrini Viero - 30, julho 2015 às (21:22)

Gostei muito da proposta do livro. Acho que contos sempre são uma boa porta de entrada para os novos leitores, por serem narrativas mais curtas e concisas. Além disso, acho interessante inserir o cenário rural nas histórias, ainda hoje essa é a realidade de muitos leitores e isso contribui para uma maior aproximação do leitor com a trama. As ilustrações dão um toque de charme e leveza ao livro, e isso é um ponto positivo a mais no título.

Responder

Fernanda Mendonça - 30, julho 2015 às (23:01)

Oi!

Em geral eu não gosto muito de contos, pois são muito curto e eu não tenho tempo de me perder na historia antes que ela acabe, entende? Gostei bastante da proposta, mas preferia ler tres livros com elas do que tres contos hehehe

Responder

Maurício Veneza - 15, setembro 2015 às (10:26)

Oi, Clivia:

Agradeço seus gentis comentários. Ainda mais se tratando de um livro em que as imagens têm, sem nenhum demérito, papel secundário. Se tiver tempo disponível, dê uma passada em
http://mauricioveneza.wix.com/site
Ficarei grato pela visita.
Abs,
Maurício Veneza

Responder

Últimas Resenhas

Minha Vida Literária • todos os direitos reservados © 2017 • powered by WordPress • Desenvolvido por Responsivo por

Blogs Brasil