[Resenha] À Procura de Audrey - Sophie Kinsella | Minha Vida Literária
07

ago
2015

[Resenha] À Procura de Audrey – Sophie Kinsella

a-procura-de-audrey-minha-vida-literariaTítulo: À Procura de Audrey
Autor: Sophie Kinsella
Editora: Galera Record
Número de Páginas: 336
Ano de Publicação: 2015
Skoob: Adicione
Orelha de Livro: Adicione
Compare e Compre: Amazon ♦ CulturaLivraria da Folha ♦ SaraivaTravessa

Audrey, 14 anos, leva uma vida relativamente comum, até que começa a sofrer bullying na escola. Aos poucos, a menina perde completamente a vontade de estudar e conhecer novas pessoas. Sem coragem de sair de casa e escondida por um par de óculos escuros, a luz parece ter mesmo sumido de sua vida. Até que ela encontra Linus e aprende uma valiosa lição: mesmo perdida, uma pessoa pode encontrar o amor.

a-procura-de-audrey2-minha-vida-literaria

Quem me conhece, sabe que não meço elogios quando o assunto é Sophie Kinsella – sou completamente fã da autora e, para mim, ela é a melhor e maior representante do gênero chick-lit. Assim, quando foi feito o anúncio de Finding Audrey, primeiro Young Adult da autora, já passei a contar os segundos para seu lançamento no Brasil. Finalmente, a Galera Record o publicou esse mês sob o título À Procura de Audrey, mantendo a capa original.

Antes de mais nada, um pequeno esclarecimento, já que os termos costumam gerar confusão: o fato do livro ser um YA não o tira da categoria chick-lit – YA se refere à fase da vida dos personagens e ao público alvo da história, sendo completamente possível manter, também, as demais características dos chick-lits. Aos que tiverem interesse, deixo aqui o vídeo em que falo um pouco mais sobre esses gêneros.

 

“- Olhe, é a celebridade! – ironiza o pai de Ollie, Rob, que vem me chamando de ‘a celebridade’ pelas últimas quatro semanas, embora tanto mamãe quanto papai, em ocasiões diferentes, tenham lhe pedido para parar. Ele acha que é engraçado e que meus pais não têm senso de humor (noto, com frequência, que as pessoas equiparam ‘ter senso de humor’ a ‘ser um idiota insensível’). 

página 10

 

Em À Procura de Audrey, a história, como tipicamente ocorre em livros de Kinsella, é narrada em primeira pessoa pela protagonista, Audrey, uma garota de 14 anos que sofre de transtornos de ansiedade e de episódios de depressão desde que viveu uma situação traumática na escola, há alguns meses. Por conta disso, passou um tempo internada em um hospital e, desde então, vive em casa, recebendo algumas atividades da escola, até que o novo ano letivo seja reiniciado, em Setembro. Não apenas ela terá que frequentar um novo colégio, como também repetirá de ano, já que perdeu muitas aulas. De qualquer maneira, o período de tempo abrangido na história é o da fase de recuperação de Audrey em sua própria casa.

a-procura-de-audrey3-minha-vida-literaria

Embora seja uma temática delicada e, de certa forma, bastante pesada, Sophie Kinsella aborda a questão com maestria e com o divertimento típico de suas histórias. O livro conta com diversas passagens engraçadas não apenas pelos fatos em si, mas pela maneira como são contados. Além disso, a própria família extremamente caótica de Audrey já oferece o cenário perfeito para muita diversão, sendo também extremamente cativante, como a própria protagonista. O grande trunfo da autora, para mim, foi conseguir fazer essa mescla: a diversão quebra o peso da história e proporciona leveza a ela, contudo, não retira a seriedade dos assuntos abordados, e nem a dificuldade sentida por Audrey em seu tratamento, ou a maneira de como isso afeta toda a sua família. Ao mesmo tempo em que  À Procura de Audrey é hilário, é também extremamente sensível.

 

Episódios. Como se a depressão fosse um seriado de comédia, sempre com uma tirada hilária. Ou uma série de TV cheia de suspense e finais abertos. O único suspense em minha vida é ‘será que um dia vou conseguir me livrar dessa merda?’, e, pode acreditar, fica bem monótono.” 

página 30

 

O único ponto que, para mim, deixou a desejar foi a não revelação do episódio traumático vivido por Audrey, que originou seus transtornos. Passei o livro curiosa, uma vez que a personagem faz certo “mistério” sobre eles, porém eles não são revelados. Ainda assim, isso é coerente com a história, considerando-se que Audrey evita assuntos que possam vir a lhe fazer mal, da mesma forma em que sua perspectiva de tratamento é o presente, não o passado ou o futuro.

De modo geral, À Procura de Audrey foi uma leitura não só extremamente prazerosa como também tratou com delicadeza a temática por ele abordada. O livro oferece diversão, um romance fofo – mesmo que não como centro do enredo – e, ao mesmo tempo, chama a atenção para problemas como o bullyng e as doenças de fundo psicológico. Sophie Kinsella foi, novamente, muito bem sucedida em seu trabalho e eu não esperava nada menos dela.

a-procura-de-audrey1-minha-vida-literaria





Deixe o seu comentário

21 Respostas para "[Resenha] À Procura de Audrey – Sophie Kinsella"

Livros com café - 07, agosto 2015 às (10:03)

Eu nunca li nada da Sophie, mas vejo o quanto você ama ela, e acredito que ela seja realmente boa, estou vendo muita gente falando sobre o lançamento desse livro, acredito que vai ser um sucesso, o únivo livro dela que tenho muita vontade de ler é fiquei com seu numero, mas o tamanho dele me assusta e as folhas são brancas ai dificulta ainda mais

Mil beijocas
http://amolivroscomcafe.blogspot.com.br/

Responder

Aione Simões 07 ago 2015

Acredite em mim: Fiquei com seu número é tão divertido que você nem sente o número de páginas hehe!
Beijos!

Responder

Aciclea Vieira - 07, agosto 2015 às (11:42)

Aione,o interessante desse livro é que ele vai tratar de assuntos como transtorno de ansiedade,depressão gerados por bullying,gostei de saber que apesar da temática pesada a autora trata de uma forma leve e divertida a estória,não abandonando suas características de escritora,amei saber que tem um romance fofo.Beijos!!!!!

Responder

Leticia - 07, agosto 2015 às (12:04)

OI Aione…
Realmente é uma temática meio pesada, queria saber como a autora conseguir trazer divertimento ainda com a leitura. Mas como você disse, acho que o divertimento deve quebrar o peso realmente.
Você realmente não mede elogios a autora rs. Eu ainda não li nada dela, porém tenho vontade de tanto que você fala e tantas outras leitoras.

livrosvamosdevoralos.bogspot.com.br

Responder

Mariele Antonello - 07, agosto 2015 às (12:22)

Acho legais livros que abordam o tema do bullying e suas consequências, pois é um tema bastante comentado hoje em dia, achei interessante esse livro, e por ter romance me interessei mais ainda, parece ser um livro que faz o leitor refletir, fiquei curiosa e acho que vou ler. Muito boa sua resenha.

Responder

Larissa Oliveira - 07, agosto 2015 às (14:37)

Oi, Aione! Não curto muito chick-lits, mas, lendo sua resenha, com inúmeros elogios à autora, confesso que fiquei com vontade de conhecer sua escrita. Gosto quando os autores abordam assuntos importantes, mas de maneira leve, delicada, divertida e usando o humor para quebrar um pouco o peso da temática. Adorei a resenha e quando eu resolver me aventurar no gênero, já sei por onde ir.

Responder

Becca Martins - 07, agosto 2015 às (20:06)

Oi Aione!
Este livro parece ser demais!
E é da diva né? Sophie Kinsella! <33
Quero muito ler, Leria qualquer coisa que ela escrevesse!
Beijos!

Responder

DEISE FERNANDA - 07, agosto 2015 às (20:11)

Olá Aione,
confesso que li apenas dois livros da Sophie Kinsella (Os delírios de Becky Bloom e Menina de 20) mas tenho vontade de conhecer outros e esse parece que será o próximo. Acho que por ser um YA, meu gênero preferido, creio que vou gostar mais da leitura mesmo porque aborda um tema tão atual como a questão do bullying, porém de forma leve. Só fiquei preocupada com o fato do mistério não ser revelado, será que terá continuação?

Bjs!!

Responder

Aione Simões 07 ago 2015

Oi Deise!
Então, pelo que vi a Sophie Kinsella dizer em uma entrevista, ela pode retornar ou não a esse universo para escrever outros livros, transformando À Procura de Audrey em uma série. Mas ela deixou muito em aberto, então vamos considerar, num primeiro instante, que não haverá uma continuação.
Fique tranquila que esse “mistério” não afeta a história em si; como falei, ela não revelar o que desencadeou a doença dela é coerente com a própria situação em que ela se encontra, porque tem dificuldade até mesmo de pensar no assunto. Eu só fiquei mesmo curiosa pra saber o que aconteceu, mas não saber não deixou nada em aberto, a ser resolvido. Então fica tranquila sobre isso!
Beijão!

Responder

Cristiane Oliveira - 08, agosto 2015 às (00:01)

Oi Aione. Não conheço o trabalho da Sophie, mas achei legal ela ter tocado em um assunto delicado de forma mais divertida. É uma pena que ela não revelou o real motivo do trauma da protagonista, acho que eu ficaria meio decepcionada com isto…
Beijos

Responder

Aline Stroeher - 08, agosto 2015 às (13:14)

Oiiii! Terminei de ler esse livro agorinha!
Amei taaanto!
Sohpie Kinsella é uma DIVA! Hehe!
Adorei o livro! Achei engraçado! Dei risadas em diversas cenas!
Mas, como você disse, fiquei meio decepcionada por não descobrir o que REALMENTE aconteceu com a Audrey na escola!
Claro, a gente imagina! Mas não gosto dessa incerteza do que aconteceu!
Mas amei todos os personagens! Todos me cativaram!
Livro lindo! Quero maaaais! 🙂
Beijinhos!

Responder

Maria Alves - 08, agosto 2015 às (16:13)

Ainda não li nenhum livro da autora, mas parece que os livros dela são bons, já li alguns comentários positivos. Esse deve ser divertido e ao mesmo tempo emocionante, já que ela passa por esses problemas de depressão. É uma pena que não fala qual foi o trauma sofrido por ela. Mas mesmo assim gostaria de ler.

Responder

Evelyn - 08, agosto 2015 às (19:47)

Como eu não li nada da Sophie Kinsella (vergonha!) eu não começaria por esse. Mas a capa e a premissa são apaixonantes!

Apesar de não achar muita graça nos livros que abordam bullying adoro ler histórias que não tem o romance como foco principal e são permeados de momentos fofos.

Responder

Evelyn - 08, agosto 2015 às (19:47)

Como eu não li nada da Sophie Kinsella (vergonha!) eu não começaria por esse. Mas a capa e a premissa são apaixonantes!

Apesar de não achar muita graça nos livros que abordam bullying adoro ler histórias que não tem o romance como foco principal e são permeados de momentos fofos.

Bjs!

Responder

Evelyn - 08, agosto 2015 às (19:48)

Vish! Meu comentário foi suas vezes :S

Responder

rudynalva - 08, agosto 2015 às (20:35)

Aione!
Fico feliz que ela conseguiu abordar temas delicados de forma a não ficar tão pesado o livro com sua forma hilária de escrita e que nos alivia um pouco, porque falar sobre bullying e transtornos psicológicos não é para todo mundo.
Bom final de semana!
“As pessoas entram em nossa vida por acaso, mas não é por acaso que elas permanecem.”
(Lilian Tonet)
cheirinhos
Rudy
http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
Participem do nosso Top Comentarista!

Responder

Garota Discreta - 09, agosto 2015 às (20:16)

Oi…
Também sou a maior fã da Sophie, ela e Marina Keyes ( conhece?), são as minhas preferidas sem dúvidas. Estou querendo comprar o livro, mas também quero antes que chegue logo o outro livro dela da série da Becky bloom, ficou sabendo? apenas não sei ainda quando vai ser lançado no Brasil, será que vai demorar?
Estou muito ansiosa…bom saber que tem dois livros novos da Sophie.
Beijos!!!

Responder

Aione Simões 09 ago 2015

Também adoro a Marian, embora eu seja muito mais fã da Sophie hehe!
No último post de Notícias da Semana, noticiei a pré-venda da edição de luxo de Becky Bloom em Hollywood, caso queira ver: http://minhavidaliteraria.com.br/2015/08/08/noticias-da-semana-70/.
A edição normal, em brochura, também já está em pré-venda: AmazonSaraivaTravessa
Os dois estão previstos para o final do mês!
Beijão!!
P.S: O oitavo livro da série (Shopaholic to the Rescue) vai ser lançado ainda esse ano, mas não tenho notícias do lançamento no Brasil!

Responder

Bruna Costabeber - 11, agosto 2015 às (10:15)

Olá Mi,
Morro de vergonha de falar, mas ainda não li nada da Sophie. Sei o quanto as pessoas amam, mas ainda não tive a oportunidade.
Adorei a sua resenha e gostei de saber que, mesmo abordando temas complicados, a autora consegue fazer isso com maestria.
Com certeza vou adicionar a minha listinha de ‘vou ler’.
Beijos

Responder

Suzzy Chiu - 27, agosto 2015 às (20:58)

Ahhh.. Tb sou fã de chick lit e nao sabia q esse livro era YA! To lendo pela primeira vez aqui no blog e me interessei mto pelo livro.
A capa está linda e acho q tem tudo a ver com a história ne?
Uma pena que a autora não revele o trauma da protagonista, talvez a gente se sentisse mais próximo dela com isso l.
Quero mto ler agora que sei melhor oq o livro trata.
Bjus

Responder

Fe Fernanda - 29, janeiro 2016 às (11:53)

Um dos melhores livros

Responder

Últimas Resenhas

Minha Vida Literária • todos os direitos reservados © 2017 • powered by WordPress • Desenvolvido por Responsivo por

Blogs Brasil