[Resenha] Baía da Esperança - Jojo Moyes | Minha Vida Literária
20

nov
2015

[Resenha] Baía da Esperança – Jojo Moyes

baia-da-esperança-jojo-moyes-minha-vida-literaria

Título: Baía da Esperança
Autor: Jojo Moyes
Editora: Bertrand Brasil
Número de Páginas: 392
Data de Publicação: 2015
Skoob: Adicione
Orelha de Livro: Adicione
Compare e Compre: AmazonCulturaSaraivaTravessa

Quando Mike Dormer parte de Londres para uma pequena cidade litorânea da Austrália, a fim de impulsionar a construção de um resort de luxo, vislumbra apenas mais um contrato milionário que lhe permita subir outro degrau da escada empresarial. O destino, porém, lhe reserva algo diferente. Baía da Esperança não é uma cidadezinha qualquer, e as tripulações de observação de baleias, lideradas pela enigmática marinheira Liza McCullen, logo vão se revoltar contra o apetite predatório do forasteiro Mike. Quando a megaconstrução começa a ganhar vida, e então se revelam os efeitos na fauna local, os mundos de Liza e Mike se chocam, com resultados dramáticos. Perigos inesperados irão confrontar os nativos, sejam eles criaturas marinhas ou seres humanos. E Mike se vê obrigado a responder à pergunta que paira sobre Baía da Esperança: até onde se pode chegar, antes de acabar por destruir o que se ama?

baia-da-esperança-jojo-moyes-minha-vida-literaria1

Baía da Esperança é o quarto livro de Jojo Moyes que leio em 2015, e a cada novo título que tenho o prazer de conhecer, fico ainda mais admirada com o talento da autora e mais ansiosa para ler suas demais obras.

Nesse romance, temos, de certa forma, várias histórias em uma, que se desenrolam no cenário da Baía da Esperança, baía remota na Austrália. O ponto de partida se dá quando Mike, empreendedor, parte para lá a fim de realizar pesquisas acerca da construção de um resort de luxo que a empresa na qual ele trabalha pretende construir. Inicialmente, seu interesse é puramente financeiro; conforme, porém, ele vai conhecendo o local, as histórias de lá e o interesse dos habitantes pela vida marítima que os cercam, seus valores vão sendo pouco a pouco modificados. Ao mesmo tempo, conhecemos também a história de Kathleen, a senhora dona do modesto hotel onde Mike se hospeda, além de Liza, sua reservada sobrinha que guarda consigo profundos segredos.

“Nunca houve noite demasiadamente fria para me fazer fechá-la por completo. Ali, dois andares acima, eu podia ficar em paz com meus pensamentos e, quando sozinha, chorar sem ninguém ouvir. Eram as únicas vezes em que fechava a janela, para que o ar não transportasse qualquer som por mim proferido às tripulações de observação de baleias ou a ouvintes dispersos embaixo.

página 120

 

Algo que já notei em outros livros da autora é que tenho certa resistência a me envolver com suas tramas no início de cada livro, e aqui isso não foi diferente. Levei quase 50 páginas para, de fato, mergulhar no enredo – e então foi praticamente impossível querer me desligar dele. Através da narrativa em primeira pessoa, os capítulos se alternam de acordo com a visão de diversas personagens – Kahtleen; Liza; Hannah, filha de Liza; e, sobretudo, pela de Mike -, algo que, acredito, me permitiu um maior envolvimento, visto que o contato com as emoções de cada personagem foi muito maior e mais intenso. Há, também, alguns poucos capítulos narrados por personagens secundárias. Essa alternância, também, possibilitou tanto uma visão mais ampla da trama, quanto o encobrimento dos segredos do livro, o que contribui para que a curiosidade do leitor seja aguçada.

baia-da-esperança-jojo-moyes-minha-vida-literaria3

Baía da Esperança é um livro sobretudo sensível; Jojo Moyes descreve cada cena com emoção e delicadeza, criando, assim, diversas belíssimas cenas. Os momentos em que são narrados os comportamentos das baleias e golfinhos da baía são ternos, ainda mais quando associados ao carinho de cada personagem por esses animais. E essa percepção de Moyes ao captar nuances tão tênues vai além, alcançando as personagens, permitindo que as mudanças vivenciadas por cada uma sejam não apenas compreendidas pelo leitor, mas também sentidas.

 

“Tenho absoluta certeza de que eu jamais poderia ser descrita como ‘alegre’, mas Kathleen uma vez me disse desconfiar de que eu me sentia tão ligada às baleias porque eram criaturas solitárias. Não há tal ligação entre baleia macho e fêmea – pelo menos duradoura, de qualquer modo. O macho não desempenha qualquer função paterna, por assim dizer. Ela não acrescentou que as fêmeas não são monogâmicas – àquela altura, não era necessário -, mas mães admiráveis. Vi uma corcunda correr o risco de encalhar para aninhar o filhote. Ouvi os cantos de amor e perda romperem o silêncio das partes mais profundas do mar, e chorei com eles. Nesses cantos, a gente ouve toda a alegria e dor de qualquer mãe fascinada pelo coração do bebê.” 

página 227

 

Emoção, inclusive, é uma excelente palavra para descrever minha relação com essa leitura. Embora o começo tenha sido ligeiramente vagaroso para mim, não consegui me desligar do livro, como comentei, após ter me envolvido. E, desde esse instante, fui tomada por diversas emoções, que culminaram em uma intensificação total nas praticamente 100 últimas páginas da história. Quando o passado de Liza é revelado, foi impossível não sucumbir a sua dor, e o conflito no enredo deixa de ter como foco a complicada questão que envolve a construção do resort na baía. A partir de então, não consegui interromper a leitura, e me vi sendo tomada por uma avalanche de diferentes emoções. E Jojo Moyes conseguiu me surpreender ao final, trazendo, ainda, reviravoltas extremamente comoventes.

Baía da Esperança ficou lado a lado com Como Eu Era Antes De Você entre minhas obras favoritas da autora, e me sinto incapaz de decidir de qual delas mais gostei. Chorei de alegria e tristeza, torci pelas personagens, refleti sobre as vivências de cada uma. Baía da Esperança é um livro que traz, sim, um romance entre um homem e uma mulher, mas esse permanece em segundo plano; o primeiro, indubitavelmente, é o amor, em todas as suas formas e versões. Um livro que indico de olhos fechados aos românticos de plantão!

baia-da-esperança-jojo-moyes-minha-vida-literaria2





Deixe o seu comentário

15 Respostas para "[Resenha] Baía da Esperança – Jojo Moyes"

Aciclea Vieira - 20, novembro 2015 às (12:48)

Aione,quero muito acompanhar o confronto desses dois mundos Liza e Mike.Realmente a Jojo é uma escritora talentosa .Amei saber que essa história se passa na Austrália e que os valores de Mike irão se modificar para melhor ,fiquei curiosa para saber que segredos profundos Liza carrega dentro de si,gostei de saber que as narrativas dos personagens principais e narrativa dos personagens secundários aguçam a nossa curiosidade para os segredos da história,amo livros sensíveis e delicados,saber que o livro é um conjunto de emoções,inclusive quando envolve a questão do passado de Liza ,Me vi movida a ler esse livro o mais rápido possível,como sinceramente sendo uma romântica de plantão.Beijos!!!!

Responder

Maria Alves - 20, novembro 2015 às (16:53)

Uma bela resenha, ainda não li nenhum livro da autora, essa semana comprei um livro dela, falta ler rsrs. A historia parece ter muitos segredos e deve ser fofa também com baleias e golfinhos que são lindos.

Responder

Sara - 20, novembro 2015 às (22:16)

Nunca li nada da autora, sabia? Mas n sei se tenho muito interesse, se vc demorou pra se envolver com a história e já lê bastante romance, imagine eu que leio poucos D: KKKKK

Responder

rayane colomes - 21, novembro 2015 às (09:35)

ainda não li nenhum livro da autora, mas tenho mta curiosidade para ler… mas nao sei pq fico com a sensação que sao mto emotivos e me deixarao triste.. achei mto fofo esse enredo e a capa então mto linda.. pelo que vcme disse quanto a cena dos golfinhos e baleias creio que irei começar por este. mto obrigada pela dica…

Responder

Isabel - 21, novembro 2015 às (11:21)

Oi Aione, adorei a resenha e fiquei super curiosa para ler o livro, o único contato com autora que tive foi através do livro “Como eu era antes de você”, que com certeza me levou as lágrimas me emocionando bastante. Baía da esperança entrou para minha lista de desejos…
Beijos!

Responder

rudynalva - 22, novembro 2015 às (00:58)

Aione!
Li apenas um livro dela e gostei muito.
Bom é que mesmo após as primeiras páginas acaba se envolvendo com a leitura, comigo já me envolvi logo de cara, mas entendo que em alguns livros a dificuldade é maior.
Gostaria de ler.
“Como são admiráveis as pessoas que nós não conhecemos bem.”(Millôr Fernandes)
cheirinhos
Rudy
http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
Participem do nosso Top Comentarista, serão 3 ganhadores!

Responder

Priscila Gonçalves - 23, novembro 2015 às (11:18)

Ah, realmente fui induzida a ler este livro depois de ler tudo isso aqui, sou apaixonada pela escrita da Jojo, mas não tive a oportunidade de ler os livros que saíram com novas capas, e com certeza começarei por este. Que enredo maravilhoso!

Responder

Diane Ramos - 23, novembro 2015 às (16:48)

Oie …
Ainda não li nada da autora , mas , quero colocar algo dela na minha meta do ano que vem 🙂
E que capa linda , heim ?
#adorei

Responder

Briana (A Leitora) - 27, novembro 2015 às (17:20)

Eu ainda não li esse livro, mas as histórias da JoJo não ótimas. O ultimo que eu li dela foi aquele UM MAIS UM. Meu Deus que livro foi aquele…
Vou colocar esse na minha lista nada pequena de livros a comprar.

Responder

Jéssica Fernanda - 28, novembro 2015 às (18:28)

Aione! <3
Eu estou apaixonada pela Jojo, só me faltam Baía da esperança e Em busca de abrigo, ainda estou lendo Aultima carta, mas a Jojo já ganhou meu coração! E esse livro que parece ter uma mulher forte ai meodeos, necessito!

Responder

Isabella Paiva - 30, novembro 2015 às (14:50)

Oi Aione 🙂 Eu amo a Jojo e todos seus livros ♥ Ainda não li Baia da Esperança, mas pretendo ler em breve! Adoro o jeito que ela escreve e o quanto suas histórias são ótimas, sempre me fazendo chorar hahaha Já vejo que irei chorar de novo quando ler!

Responder

Lindsay Leão - 10, dezembro 2015 às (17:11)

Oi Aione,
Nossa, esse livro parece ser muito bom, aliás, como tudo o que a Jojo faz. Gostei bastante
da resenha. Espero ter a oportunidade de ler esse livro em breve (assim, que minha pilha
de livros à ler diminua um pouco rsrsrs). Fiquei bastante curiosa quanto ao passado da Liza, você descreve tudo com tanta emoção que é praticamente impossível não gostar da história, e quando você o põe lado a lado com “Como eu era antes de você”, aí é que me deixou ainda mais interessada pela leitura. Obrigada por compartilhar uma resenha tão rica e apresentar mais um grande livro de Jojo Moyes.
Beijos

Responder

Virgínia Junqueira - 18, maio 2016 às (14:02)

Aione Simões,

Estava procurando resenhas sobre o livro enquanto me decido se compro ou não, aí me deparo com esta sua resenha e estou simplesmente desesperada para comprar esse também.
Eu já li “Como eu era antes de você” que amei e “A garota que você deixou para trás”, esse segundo foi o primeiro dela que li e sou apaixonada nele.
Tenho também “A casa das marés” e “Em busca de abrigo”, ambos estão lista para começar a ler.
Parabéns pelo blog e pela resenhas, o endereço já está salvo em meus favoritos!

Abraços,
Virgínia

Responder

Aione Simões 18 maio 2016

Oi Virgínia!
Seja muito bem vinda aqui, então! E fico feliz que tenha gostado da resenha!
Leia o livro quando puder, virou um dos meus favoritos! E me conte depois o que achou dele 😉
Beijos!!

Responder

Carol 24 out 2016

Esse livro é lindo mesmo! Também virou um de meus favoritos!

Responder

Últimas Resenhas

Minha Vida Literária • todos os direitos reservados © 2017 • powered by WordPress • Desenvolvido por Responsivo por