[Resenha] Na Natureza Selvagem - Jon Krakauer | Minha Vida Literária
11

dez
2015

[Resenha] Na Natureza Selvagem – Jon Krakauer

Na-Natureza-Selvagem-Minha-Vida-Literaria

Título: Na Natureza Selvagem
Autor: Jon Krakauer
Editora: Companhia das Letras
Número de Páginas: 216
Ano de Publicação: 1998
Skoob: Adicione
Orelha de Livro: Adicione
Compare e Compre: AmazonCulturaExtraSubmarinoTravessa

O corpo em decomposição de um jovem é encontrado no Alasca. A polícia descobre que se trata de um rapaz de família rica do Leste americano que largou tudo, se internou sozinho na aridez gelada e morreu de inanição.Quem era o garoto? Por que foi para o Alasca? Por que morreu? Para responder a essas e outras perguntas, Jon Krakauer refaz a trajetória de Chris McCandless, revelando a América dos que vivem à margem, pegando carona ou circulando em carros velhos, vivendo em acampamentos e cidades-fantasmas. Mergulha no mundo da cidadezinha rural, onde homens rudes bebem e conversam sobre o tempo e a colheita. Compara a história do jovem com a de outros aventureiros solitários que tiveram fim trágico.O resultado é uma narrativa envolvente, por vezes amarga, em que os sonhos da juventude se transformam em pesadelo.

Na-Natureza-Selvagem-Minha-Vida-Literaria1

Existem narrativas que ultrapassam nossa compreensão e vivência, e nos tocam tão profundamente que torna-se impossível não se envolver com elas, sobretudo quando são reais. Na Natureza Selvagem é mais do que um relato sobre um jovem em busca de aventura, é uma história de coragem, desafios, autoconhecimento e liberdade.

Conheci um pouco de Chris McCandless a partir do filme homônimo adaptado do livro, e me encantei totalmente pelo ambiente criado, pela trilha sonora e pela própria história de vida do personagem, que até então, para mim, ainda era uma incógnita. Com o livro em mãos, tive o prazer de me aproximar um pouco mais da sua trajetória e de mergulhar em reflexões intensas acerca da existência humana.

 

” É nas experiências, nas lembranças, na grande e triunfante alegria de viver na mais ampla plenitude que o verdadeiro sentido é encontrado.”

página 48

 

Depois de terminar a faculdade, com excelentes notas e destaque em sala de aula, Chris, que pertencia a uma família americana abastada, doa todo o dinheiro que possui, abandona seu carro e pertences e some na estrada sem deixar notícias. Dois anos depois é encontrado morto dentro de um ônibus abandonado num lugar solitário e gelado do Alasca.

Esse livro é fruto de um excelente trabalho do escritor e jornalista Jon Krakauer, que refez a jornada de Chris, colhendo depoimentos de pessoas que conviveram com ele, transcrevendo trechos do diário que ele manteve durante suas viagens, e tentando decifrar os principais motivos que o levaram por essa jornada. A narrativa é bastante descritiva e envolvente, e por vezes o autor insere outras histórias de pessoas que também passaram por situações parecidas, inclusive ele próprio. Desse modo, o livro intercala histórias e pensamentos diversos que direcionam ao contexto no qual esse jovem estava inserido, aproximando-se, assim, sucessivamente do seu modo de ver o mundo, de sua forma de pensar e agir, até seus últimos dias de vida.

Na-Natureza-Selvagem-Minha-Vida-Literaria2

Chris possuía características muito interessantes para alguém tão jovem, era muito inteligente, leitor voraz de autores como Jack London, Thoreau, Tolstoi, entre outros que o inspiravam com suas narrativas, e ele carregou consigo alguns dos seus livros na mochila ao longo do percurso. Uma das coisas que mais lhe incomodava na sociedade era o materialismo vazio, fruto do sistema capitalista, e volta e meia mostrava sua revolta ao sistema, seja em relação aos políticos, à economia vigente, ao modo de vida dominante e até mesmo aos seus pais, que, de acordo com sua visão, estavam imersos nesse universo. Apesar de não ter um relacionamento amigável com eles, justamente por terem pensamentos tão opostos, Chris foi o tipo de pessoa que cativou as pessoas por onde passou, bastava alguns instantes ao seu lado para as pessoas se contagiarem com sua coragem, inteligência e modo de tratar os que estão a sua volta.

Há diversas polêmicas em torno da figura de Chris; uns dizem que ele era um garoto mimado e inconsequente, outros, que ele era uma lenda. A meu ver, cada um que se aproximar dessa história, seja através do filme ou do livro, terá reações diferentes baseadas em sua própria experiência de vida. Por vezes compreendi o quanto essa viagem significou para ele: foi um grito de liberdade, uma mudança de estilo de vida e um novo modo de enxergar-se enquanto ser humano e de enxergar o mundo e as pessoas ao seu redor. Emocionei-me inúmeras vezes, principalmente com a sensibilidade que ele tinha em tentar compreender o real sentido da existência humana. Com a leitura do livro, nos afeiçoamos a ele por compreendermos um pouco de quem ele foi, do que sentiu, do que pensava. Recomendo demais a leitura, que, apesar de possuir um final trágico já anunciado nas primeiras páginas, nos deixa reflexões profundas e inestimáveis. Indico que assistam ao filme também, uma vez que ambos se complementam e formam uma dupla infalível.

 

” Tanta gente vive em circunstâncias infelizes e, contudo, não toma a iniciativa de mudar sua situação porque está condicionada a uma vida de segurança,conformismo e conservadorismo, tudo isso que parece dar paz de espírito, mas na realidade nada é mais maléfico para o espírito aventureiro do homem que um futuro seguro.”

página 67

 
Na-Natureza-Selvagem-Minha-Vida-Literaria3





Deixe o seu comentário

18 Respostas para "[Resenha] Na Natureza Selvagem – Jon Krakauer"

Fernanda Martins - 11, dezembro 2015 às (09:41)

Oi Clivia nunca ouvi falar desse livro e nem desse autor lendo a resenha e a sinopse tenho que confessar que o livro não me chamou a atenção não é o tipo de gênero literário que eu leio mas como sempre você faz ótimas resenhas bjs.

Responder

Fernanda S Lima - 11, dezembro 2015 às (14:26)

Oi Clivia

Li esse livro após ter visto o filme, gostei muito do filme, do livro nem tanto a história é muito boa mas achei meio devagar, “arrastada”. Acho que a trilha sonora perfeita do filme, me fez gostar muito mais dele.

Beijos

Responder

Ingrid - 11, dezembro 2015 às (21:12)

Boa Noite Clivia, nunca tinha escutado a respeito do livro, apesar de ser fã dos romances, leio de tudo! Não me interessei tanto pelo livro, mas adorei as frases em destaque <3 Talvez verei o filme que você citou ! Estou voltando por agora no mundo dos blogs 🙂 Achei muito fofo o seu cantinho!

Responder

Lindsay Leão - 12, dezembro 2015 às (00:47)

Oi Clivia,

Linda resenha! Eu não li o livro e desde já digo que odiei o filme, pelos motivos citados por você acima, sou daquelas que achou o Chris um tremendo de um mimado que jogou as oportunidades que tinha fora, por um idealismo fantástico.
Até entendo a intenção dele com essa viagem e tal, mas sou da opinião que ele poderia usar essa aparente “revolta” de outra forma.
Quando vi o filme, achei que fosse gostar, sinceramente, mas meu sentimento por esse personagem foi totalmente o oposto, odiei ele! Claro que seus pais contribuíram bastante para tal comportamento, mas a “revolta” tomou rumos extremos e a meu ver não havia necessidade disso.
Beijos

Responder

Clivia Lira 23 dez 2015

Oi querida, tudo bem?
Que bom vê-la por aqui e que bom que gostou da resenha.
Pois é, esta é uma história que divide opiniões mesmo, ainda mais por ser uma história real. A meu ver, entendo que o ser humano é um ser complexo e repleto de limitações, desse modo, achei bastante válidos os argumentos utilizados por Chris para fazer uma mudança radical de modo de vida sabe? no entanto, acredito que uma certa imaturidade foi o que o levou a esse fim trágico e a não concretizar sua jornada com sucesso. Ao menos, essa foi minha conclusão ao finalizar a leitura.
Beijão!

Responder

Larissa Oliveira - 12, dezembro 2015 às (10:11)

Olá, Clivia! Que resenha linda! Eu tenho muita vontade de fazer a leitura desse livro. Tive a oportunidade de assistir ao filme essa semana, mas não consegui. De fato, a atitude tomada por Chris despertará reações diversas em cada leitor, e confesso que estou bem curiosa para descobrir qual será o meu sentimento diante de tudo isso.

Responder

Maria Alves - 12, dezembro 2015 às (15:31)

Olá!! Não conhecia o livro e nem o filme, parece ser uma historia bem profunda e cheia de reflexões, fiquei curiosa com o que levou o protagonista a jogar tudo para o alto e sair em busca de uma outra opção de vida.

Responder

Juliana Mattos - 13, dezembro 2015 às (12:54)

Só de ler essas duas quotes me deu uma vontade imensa de ler o livro! Acho que farei isso é logo depois assisto o filme, que não assisti até hoje!! Adoro quando esse tipo de coisa acontece, o filme completa o livro e vice versa ;*

Responder

Lara Cardoso - 14, dezembro 2015 às (00:33)

Faz um tempo que venho pensando em ler este livro. Toda promissa me atrai, sabe? Nunca assistir ao filme e, fico adiando porque quero ler o livro antes, haha. Vou ver se leio logo este ano 🙂
Resenha maravilhosa e que me deixou com ainda mais vontade de ler!

Responder

rudynalva - 14, dezembro 2015 às (02:11)

Clívia!
O que leva um estudante bem inteligente, de família abastada, enveredar por uma aventura que o levou a morte?
Não sou materialista, longe de mim, entendo até que ele queria viver suas próprias experiências e liberdade, mas ainda assim, me incomoda um pouco esse tipo de atitude de peregrino do asfalto…
“Somente quando encontramos o amor, é que descobrimos o que nos faltava na vida.” (John Ruskin)
cheirinhos
Rudy
http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
Participem do nosso Top Comentarista de Dezembro, serão 6 livros e 3 ganhadores!

Responder

Beatriz - 14, dezembro 2015 às (09:35)

Amo este livro, conheci ele pelo meu professor que passou o filme na faculdade e fui logo comprando o livro. Chris McCandless é um daqueles personagens intrigantes que vc quer a todo custo pensar no “e se”…

Responder

rayane colomes - 14, dezembro 2015 às (10:03)

nossa tinha ouvido falar da historia mas nunca li! e parece ser uma historia bem emocionante. concordo com voce acho q foi uma tentativa de mudança de vida na maneira de ver o mundo. um pouco de tudo. fico chateada com o que aconteceu com ele… nao tive aoportunidade de ler e nem de ver o filme mas pretendo… so nao gostei mto de mesclar algumas historias em meio da do rapaz…

Responder

Rhoana Lersch - 23, dezembro 2015 às (20:06)

Gostei muito do filme, mas o livro não me pretendeu tanto, mas vou tentar ler novamente para dar uma nova chance ao autor!!

Responder

SUZZY CHIU - 27, dezembro 2015 às (22:57)

Lendo a sinopse do livro Na Natureza Selvagem fiquei curiosa com as questões levantadas. Mas ao ler a resenha percebi que seria um livro que não prenderia a minha atenção. Não sou muito de ler livros que dissertem sobre o real sentido da existência humana e demais assuntos relacionados.
Prefiro o campo da fantasia e romances.
Beijos.

♥ Blog Livros e Sushi ♥
https://livrosesushi.wordpress.com/

Responder

suzana cariri - 28, dezembro 2015 às (15:26)

Oi!
Conhecia um pouco da historia do Chris McCandless a algum tempo mais ainda não assisti ao filme nem li o livro é uma leitura que me deixou muito curiosa para saber um pouco mais da historia do Chris e o Jon Krakauer fez com certeza uma ótimo trabalhado de pesquisa nos trazendo essa historia real !!

Responder

Liliane Furtado - 30, dezembro 2015 às (14:23)

Estou lendo o livro On the Road que também é um Road Treep
Então com certeza esse está na lista de futuras leituras
Amei a resenha,muito bem feita

Responder

Patrini Viero - 31, dezembro 2015 às (14:24)

Na Natureza Selvagem é um filme do qual eu já ouvi diversos comentários extremamente positivos, mas que ainda não tive a oportunidade de assistir. Acredito que ainda vá ler o livro antes de conferir a adaptação, mas o que importa é que a história mexe muito comigo, como leitora e também como ser humano. Acho que conhecer essa experiência acaba nos fazendo refletir sobre muitos dos nossos conceitos e atitudes para com o mundo e com os outros a nossa volta.

Responder

Camila - 21, fevereiro 2016 às (12:26)

O filme me tocou bastante! O fato de Chris buscar o sentido da existência humana distante dos homens, em conexão com a natureza, foi um ato corajoso de busca por si mesmo. Extremo? Talvez. Mas representa um grito à liberdade e uma negativa às imposições da sociedade pra nós. Se ele tivesse ficado com a grana dos pais pra viagem talvez se tratasse de um garoto mimado. Mas, não, ele foi muito além de uma fuga do universo que os pais criaram pra ele. Lendo a resenha do livro depois de ver o filme, o livro com certeza deve ser maravilhoso e dá vontade de reconstruir o caminho de Chris junto com o autor. Tá anotado pra leitura desse ano 😉

Beijão :*

Responder

Últimas Resenhas

Minha Vida Literária • todos os direitos reservados © 2017 • powered by WordPress • Desenvolvido por Responsivo por