[Resenha] O perfume da folha de chá - Dinah Jefferies | Minha Vida Literária
21

mar
2017

[Resenha] O perfume da folha de chá – Dinah Jefferies

Título: O perfume da folha de chá
Autor: Dinah Jefferies
Editora: Paralela
Número de Páginas: 432
Ano de Publicação: 2017
Skoob: Adicione
Compre: Amazon ♥ AmericanasSaraiva ♥ Submarino

Em 1925, a jovem Gwendolyn Hooper parte de navio da Escócia para se encontrar com seu marido, Laurencek no exótico Ceilão, do outro lado do mundo. Recém-casados e apaixonados, eles são a definição do casal aristocrático perfeito: a bela dama britânica e o proprietário de uma das fazendas de chás mais prósperas do império. Mas ao chegar à mansão na paradisíaca propriedade Hooper, nada é como Gwendolyn imaginava: os funcionários parecem rancorosos e calados, e os vizinhos, traiçoeiros. Seu marido, apesar de afetuoso, demonstra guardar segredos sombrios do passado e recusa-se a conversar sobre certos assuntos.

Ao descobrir que está grávida, a jovem sente-se feliz pela primeira vez desde que chegou ao Ceilão. Mas, no dia de dar à luz, algo inesperado se revela. Agora, é ela quem se vê obrigada a manter em sigilo algo terrível, sob o preço de ver sua família desfeita.

O perfume da folha de chá é o segundo livro de Dinah Jefferies e o primeiro da autora publicado no Brasil. Suas quatro obras, independentes entre si, são romances históricos ambientados no século XX, sobretudo entre as décadas de 1920 e 1950, em países asiáticos colonizados pelos britânicos.

Gwendolyn Hooper, aos 19 anos, parte para o Ceilão (atualmente Sri Lanka) em 1925 para iniciar sua nova vida. Recém casada com Laurence, proprietário de uma próspera fazenda de chá, a jovem anseia para reencontrá-lo após os intensos e apaixonados momentos que viveram juntos na Inglaterra, quando se casaram. Contudo, ao chegar nas paradisíacas terras do marido, nada demonstra ser como ela esperava, principalmente por Laurence demonstrar guardar sombrios segredos de seu passado e passar a se distanciar dela. Até que Gwendolyn passa ela própria a ser detentora de um segredo capaz de ruir completamente a família que ela e Laurence começaram a constituir.

A contextualização histórica de O perfume da folha de chá aliada à promessa de um mistério sobre o passado de Laurence foram os principais elementos que despertaram minha atenção quando li a sinopse do romance de Dinah Jefferies; contudo, o enredo se mostrou muito mais voltado aos conflitos internos da protagonista, Gwendolyn, bem como aos dramas por ela enfrentados, do que a qualquer tipo de suspense propriamente dito.

Em terceira pessoa, a narrativa se desenvolve de maneira fluida, convidando o leitor a mergulhar por entre as páginas e desbravar os cenários paradisíacos do Ceilão. Também, há um importante panorama histórico que influencia diretamente nos acontecimentos da trama, sobretudo nas escolhas feitas por Gwendolyn, considerando-se a grande segregação racial presente no país. Adorei acompanhar a maneira de como a autora abordou a temática, principalmente pelo fato da protagonista se opor às diferenças de tratamento muitas vezes oferecidas a brancos, cingaleses e tâmeis e por ela desejar melhorias na qualidade de vida dos empregados da fazenda do marido.

Os anseios, desejos e dúvidas de Gwendolyn estão presentes a todo momento e é a partir deles que a trama de O perfume da folha de chá é conduzida. Assim, o romance foca nos dramas familiares da protagonista e nos sofrimentos que ela passa a carregar, ainda que haja um leve mistério sobre o passado de Laurence, capaz de manter o leitor curioso até sua revelação, ao final do livro. Como o romance é bastante voltado aos aspectos emocionais e psicológicos das personagens, senti falta de me envolver mais com elas nesse aspecto, de forma que, embora eu tenha feito uma rápida leitura e me sentido cativada pelo enredo, acabei por não me emocionar com ele ou por não sentir em mim os conflitos da personagem. A história é bastante emocional e nos coloca para pensar sobre as escolhas e motivações de cada personagem, mas não despertou em mim tais emoções.

Em linhas gerais, O perfume da folha de chá traz uma história bonita e bem construída, com ligações interessantes com a época na qual está contextualizada, capaz de proporcionar uma leitura fluida e envolvente, mas que, apesar de seu potencial, acabou por não me emocionar, uma vez que mantive certa distância das emoções das próprias personagens. De qualquer maneira, fiquei curiosa para conhecer outras obras de Dinah Jefferies e recomendo a leitura aos que se interessam por romances históricos, em especial aos voltados aos dramas familiares.





Deixe o seu comentário

9 Respostas para "[Resenha] O perfume da folha de chá – Dinah Jefferies"

Lili Aragão - 22, Março 2017 às (08:52)

Oi Aione, eu acho a capa desse livro bem bonita e acho interessante o fato dele se passar no Ceilão, o que deve render algumas descrições bem legais, contudo e apesar de gostar de romances de época, ainda não consegui decidir se quero ou não ler esse livro e o fato de você não ter conseguido criar uma empatia pelos problemas da personagem e não ter conseguido se emocionar em um livro que parece ser carregado de emoção me preocupam. Contudo você disse que a leitura é fluida e isso é importante. Vou deixar ele na “geladeira” kkk por enquanto e depois decido se quero ou não ler 😉

Responder

Caroline Garcia - 22, Março 2017 às (19:29)

Curto demais romances históricos e esse já está na minha listinha de leituras.
Parece ser uma história emocionante e cheia de superação.
Apesar de alguns pontos negativos, estou bem curiosa.
Espero conseguir ler em breve.
Beijos,
Caroline Garcia

Responder

Rudynalva CORREIA Soares - 22, Março 2017 às (22:03)

Aione!
Acredito que é o tipo de livro que para apreciá-lo em sua totalidade, temos de nos envolver com a protagonista, enveredando por seus mistérios do passado, bem como suas dores e adaptações no presente. Gosto de livros assim porque são intensos e acabamos nos envolvendo.
Uma pena que isso não aconteceu com você.
“Não ganhe o mundo e perca sua alma; sabedoria é melhor que prata e ouro.” (Bob Marley)
cheirinhos
Rudy

TOP Comentarista de MARÇO, livros + KIT DE PAPELARIA e 3 ganhadores, participem!

Responder

Kemmy Oliveira - 27, Março 2017 às (23:56)

Não tenho certeza se já li algum romance histórico, mas enfim, esse livro não chamou muito a minha atenção. Se ele fosse mais voltado para o suspense talvez ele teria despertado meu interesse, mas isso de focar nas emoções e ao mesmo tempo não nos aproximar delas, não nos emocionar realmente é bem chato.

Responder

Giuli - 29, Março 2017 às (17:10)

Já vi esse livro várias vezes por aí, apesar de achar a capa dele linda, não era um livro que me dava vontade de ler, ainda não conhecia a história dele e depois que li a resenha vi que é um livro que provavelmente não leria, ele parece ser realmente bom, mas não para mim, não curto muito romances que acontecem mais no passado, a história em si parece que não me cativaria muito, ainda mais depois de você falar que não sentiu as emoções da personagem.
Beijos!

Responder

Giulianna Santicioli 31 mar 2017

@Giuli, Já vi esse livro várias vezes por aí, apesar de achar a capa dele linda, não era um livro que me dava vontade de ler, ainda não conhecia a história dele e depois que li a resenha vi que é um livro que provavelmente não leria, ele parece ser realmente bom, mas não para mim, não curto muito romances que acontecem mais no passado, a história em si parece que não me cativaria muito, ainda mais depois de você falar que não sentiu as emoções da personagem.
Beijos!

Responder

Girlene Vieira - 29, Março 2017 às (17:16)

Eu estou encantada com essa historia, já tive contado com outras resenhas e confesso que fiquei bastante feliz com a forma que autora desenvolver a historia. Espero ter oportunidade de esta lendo algum dia, sem duvidas algumas

Responder

camila rosa - 30, Março 2017 às (15:02)

Oi, tudo bom?
Gosto muito de romances históricos e esse parece ser bacana, mas pelo visto não devo esperar muito dele, porém tenho curiosidade de ler, a capa é super bonita, e gosto quando temos dramas familiares , espero ter a oportunidade de ler o livro, e que ele funcione comigo.
Beijos *-*

Responder

Priscila Tavares - 30, Março 2017 às (17:28)

Oi Aione, tudo bem?
Eu gosto de histórias com essa pegada. Achei legal a escolha de desenvolver os dramas pessoais, sempre fico com a sensação de que participei da história sabe. Eu já havia ouvido falar desse livro, mas nada que tivesse chamado minha atenção. Sei bem como é a sensação ao terminar um livro, ter gostado, mas não se sentir conectada com o personagem sabe. Apesar disso, fiquei curiosa quanto ao forma como a trama foi desenvolvida. Vou dar uma pesquisada nos preços.
Beijos
Quanto Mais Livros Melhor

Responder

Últimas Resenhas

Minha Vida Literária • todos os direitos reservados © 2017 • powered by WordPress • Desenvolvido por Responsivo por