[Resenha] Um Acordo de Cavalheiros - Lucy Vargas | Minha Vida Literária
06

jun
2017

[Resenha] Um Acordo de Cavalheiros – Lucy Vargas

Título: Um Acordo de Cavalheiros
Autor: Lucy Vargas
Editora: Bertrand Brasil
Número de Páginas: 350
Ano de Publicação: 2017
Skoob: Adicione
Compare e Compre: Amazon ♥ Livraria da FolhaSaraiva

Tristan Thorne, o Conde de Wintry, não é um homem para brincadeiras. Com uma vida de segredos, amado e odiado na sociedade, ele não é o parceiro ideal para uma dama. Dorothy Miller não sabe o que há por trás de suas motivações, apenas que ele é bastante intenso. Os jornais dizem que ele bebe demais, joga demais e ama escandalosamente. E até mata. Como uma dama determinada a ser dona do próprio destino como Dorothy Miller acaba em um acordo com um homem como Lorde Wintry? Você teria coragem de guardar um segredo com o maior terror dos salões londrinos? Lembre-se: Nunca faça acordos com ele, pois o conde sempre volta para cobrar.

Em sua estreia pela Bertrand Brasil, Lucy Vargas traz mais do que um romance de época erótico para os leitores de Um Acordo de Cavalheiros: mesclando uma leitura deliciosamente envolvente e cativante com pitadas de humor, mistério e drama, a autora garante uma obra digna do patamar de melhores do gênero que já tive a oportunidade de ler, capaz de transmitir uma mensagem incrível sobre o empoderamento sexual feminino.

Dorothy Miller é uma dama de reputação impecável. Ao menos, a reputação que todos conhecem. Órfã e dependente do tio, ela faz de tudo para continuar sendo bem-vista, principalmente porque sua prima mais nova, Cecilia, que acaba de debutar, está sob seus cuidados e depende dela para conseguir um bom contrato de casamento. O que ninguém sabe é que Dorothy guarda seus próprios segredos – e culpas -, responsáveis por ela continuar solteira, mesmo já tendo atingido a tardia idade de 26 anos. Até que ela acorda na cama de Tristan Thorne, o Conde de Wintry, o qual propõe a ela um acordo ainda mais surpreendente do que o fato dela já ter se permitido chegar tão longe com ele: que se tornem amantes.

Um Acordo de Cavalheiros já começa ganhando destaque em relação às demais obras do gênero: logo na primeira cena, temos Dorothy acordando ao lado do maior libertino da sociedade a qual ela pertence. Dessa maneira, não há a narração de como a química entre eles acontece, após ambos resistirem a ela (algo bastante comum em livros semelhantes). Não. Temos já a consolidação dessa primeira etapa e, então, o desenrolar dela, no qual acompanhamos o desenvolvimento da paixão e relação entre as personagens. Além do diferencial, o início inusitado da trama já antecipa uma de suas maiores características: Lucy Vargas escreveu uma história, sem dúvida alguma, extremamente moderna, ainda que ambientada em pleno século XIX.

“Quando estava com Tristan, ela gostava de sua nova faceta. Podia fingir que era livre e dizer o que tivesse vontade. E tinha seus próprios desejos e necessidades e não precisava se envergonhar disso, na verdade, tinha que se orgulhar de quem era. E especialmente do que vinha descobrindo sobre a mulher que era.”

pág. 162

É fato que muitas obras de época trazem a questão da sexualidade feminina como um de seus principais temas, apresentando mocinhas em descobrimento desse seu lado e desejando algo a mais do que um simples acordo matrimonial. Porém, ainda que essa temática esteja também presente em Um Acordo de Cavalheiros, é a maneira de como foi abordada que a torna especial. Lucy Vargas apresenta, na figura de Tristan Thorne, um homem completamente a frente não só deu sua própria época, mas, em muitos aspectos, de nossa própria. Ele faz parte do processo de aceitação de Dorothy sobre sua sexualidade e, acima de tudo, da noção dos direitos dela sobre seu próprio corpo, algo que ainda precisa ser discutido (e muito) em pleno século XXI. E mais do que o clichê do libertino que tem medo de se comprometer com alguém e prefere se afastar de qualquer envolvimento emocional, os motivos do Conde, aqui, são outros, capazes de trazer, ainda, mistério para trama e a sutil abordagem de assuntos de extrema importância na contextualização do rigor e severidade da época a qual abriga a história.

Não bastasse essa questão, a autora inova por não trazer a famosa fórmula do personagem redimido, que acaba sendo, de alguma maneira, modificado e salvo pelo amor que vem a sentir. A mensagem trazida em Um Acordo de Cavalheiros é muito mais real e próxima do verdadeiro significado do amor: o de se amar alguém como se é, quando o sentimento, mútuo, envolve tanto companheirismo quanto respeito entre ambas as partes.

“Era uma paixão, do tipo mais passageiro. Queimava incontrolavelmente por um tempo, depois ardia sobre as brasas e então passava com o vento e as chuvas de verão. Antes da próxima temporada já não haveria sinal da fogueira. E se mudasse de ideia agora, ela viveria eternamente nas cinzas. Só de olhar para ele, podia ver que não estava pronto para enfrentar o inverno, quando as portas e janelas se fechariam e viveriam ao redor da luz da lareira, sobrevivendo no calor que emanariam um para o outro. Porém, o arrependimento era tão gelado que nada os aqueceria. E então, ao final do inverno, estariam eternamente separados pelo frio da conveniência que se tornaria sua relação.”

pág. 191

Para a lista de qualidades de Um Acordo de Cavalheiros, está, sem dúvidas, a deliciosa escrita de Lucy Vargas. Em terceira pessoa, a autora desenvolve uma narrativa completamente envolvente e apaixonante, carregada de momentos de humor – foram várias as passagens em que me peguei rindo com os diálogos entre as personagens – e paixão. Nunca uma obra erótica se mostrou, para mim, tão romântica e intensa quanto as cenas aqui desenvolvidas. Mais do que descrições sobre os momentos a dois, Lucy Vargas explora sentimentos e emoções, trazidos a nós com uma sensibilidade ímpar.

Um Acordo de Cavalheiros saltou para minha lista de romances de época favoritos, que não deixa absolutamente nada a desejar a outras obras renomadas do gênero, incluindo no cenário internacional (e vale dizer que o livro de Lucy me agradou mais do que muitos outros trazidos de fora). Sendo uma história capaz de entreter e causar suspiros, indico aos admiradores do gênero sem pensar duas vezes.





Deixe o seu comentário

9 Respostas para "[Resenha] Um Acordo de Cavalheiros – Lucy Vargas"

Dandara Machado - 06, junho 2017 às (16:52)

Você já conseguiu cumprir uma de suas metas!
Ótima resenha, amei! Históricos muito bons também são Onze leis a cumprir na hora de seduzir e Volúpia de Veludo (adoro as irmãs Noirot, também são mulheres à frente de seu tempo), da Arqueiro.
Eu estou lendo “Minha vida não tão perfeita” e gostando; curiosa para saber o que vai acontecer a seguir na trama, mas, infelizmente, tenho de ir para a faculdade agora e parar a leitura!
Abraços,
Dandara

Responder

Lili Aragão - 07, junho 2017 às (09:26)

Super feliz que a Lucy consegue se consolidar como uma grande autora desse gênero nacional, tenho dois livros de época dela e são histórias ótimas e pelo que li na resenha esse também vai ser um de meus favoritos, com protagonistas encantadores e a frente de seu tempo <3

Responder

Leituras da Ketellyn - 07, junho 2017 às (12:36)

Adorei a sua resenha e estou ansiosa para conhecer a escrita da autora., principalmente por saber que o livro não é cliche e que a autora inova e que voce achou romantica e intensa.
Antes eu já queria ler,agora depois de ler a sua resenha só confirmou isso, preciso ler o mais rapido possivel.

Responder

Anna Mendes - 08, junho 2017 às (09:13)

Oi Aione! Adorei a resenha!
Nossa, eu acho estas capas de romances de época tão lindas!
Eu estou tentando ler mais livros desse gênero esse ano e gostei da premissa de Um acordo de cavalheiros.
Parece ser uma história muito envolvente, divertida e cativante.
Adoro livros que tratam do empoderamento feminino. Fiquei curiosa para conhecer a narrativa da autora.
Bjos!

Responder

Aline M. Oliveira - 08, junho 2017 às (13:33)

Que resenha saborosa!! Fiquei morrendo de vontade de ler só por causa da resenha! A história parece ser diferente dos romances neste gênero que já li. Tem mais ingredientes pra deixar tudo mais atrativo pra se ler. O fato dos personagens serem a frente da época da narrativa é também legal, porque nos deixa mais a vontade com a história! Está na lista de leituras!
Bjoxx ♥

Responder

Lily Viana - 09, junho 2017 às (16:29)

Ola,
O livro e maravilhoso. A historia e realmente interessante e bem diferente, sempre bom ver quer uma mulher nem sempre é aquela quietinha, tem sempre o seu lado diferente de quer descobrir coisas novas, amei bastante do livro.

Responder

Dan Igor - 10, junho 2017 às (14:31)

Boa tarde, Aione!
Nossa, adorei sua resenha. Me deixou louco para ler o livro.
A apaixonante escrita da autora; o empoderamento feminino; o desenvolvimento bem feito do casal na trama, enfim, tudo aqui pontuado me fez suspirar só de ler o post. hahaha
Muito feliz de ver uma escrita nacional se dando tão bem. A capa está um charme.
Abraços.

Responder

rudynalva - 12, junho 2017 às (21:46)

Aione!
Realmente é um romance inusitado no quesito de como se iniciou, a Lucy soube ser criativa e inovar, ainda mais com uma roupagem mais contemporânea, mesmo sendo um romance do século XIX, quero dizer, ambientado nessa época.
Acabei de ler Nove regras a ignorar antes de se apaixonar, onde a protagonista tm 28 anos e ainda não casou, o que é raro para a época e também é o debu da irmã mais nova, mas as semelhanças param por aí, mais ou menos, tem ooutras coisas parecidas, mas não iguais…
Quero ler com toda certeza.
cheirinhos
Rudy

Responder

Paloma Monteiro - 14, junho 2017 às (13:52)

Só li sua resenha pq vi que se tratava de uma autora nacional, ainda tenho certas ressalvas pelo gênero de livros eróticos e apelativos, por isso ainda não li nenhum , este ano tive meu primeiro contato com um romance de época e foi através de uma autora nacional…a Marina Carvalho e seu livro “o amor nos tempos de ouro” , e amei a leitura e o estilo deste tipo de livro.

Responder

Últimas Resenhas

Minha Vida Literária • todos os direitos reservados © 2017 • powered by WordPress • Desenvolvido por Responsivo por

Blogs Brasil